Sob aplausos e muita comoção, foi enterrado nesta sexta-feira (15) o corpo de Marilena Ferreira Vieira Umezu, de 59 anos, que era mineira e coordenadora pedagógica da Escola Estadual Professor Raul Brasil, morta durante o ataque à escola na manhã de quarta-feira (13). Amigos e parentes também acompanharam uma missa nesta manhã. Antes do sepultamento, uma celebração foi realizada na capela do Cemitério Municipal São Sebastião, em Suzano.

O cortejo com o corpo de Marilena chegou ao cemitério por volta das 11h20. O enterro foi realizado na sexta-feira, porque a família aguardava a chegada de um dos filhos da coordenadora que mora há sete anos na China.

“Todo mundo tem de ensinar as crianças em casa. Muitos pais acham que a criança vai aprender alguma coisa na escola e acham que a escola vai ensinar tudo, mas não. A educação vem do berço e foi isso que a minha mãe sempre ensinou para a gente. Ela seu valores para a gente, desde pequeno, e ajudou a gente a entender o que é certo e o que é errado. Quem tem valor, vai ser uma pessoa boa na vida. Não tem segredo”, disse o engenheiro mecânico Michael Vieira Umezu, de 38 anos, um dos filhos da coordenadora.

Ele fala que a mãe tinha carinho pelos estudantes. “Tem muitos alunos bons no Raul Brasil e ela era muito querida lá. Ela gostava dos alunos e queria vê-los se dando bem.”

No mesmo cemitério foram enterrados os estudantes Caio Oliveira, de 15 anos, Cleiton Antonio Ribeiro, de 17, Kaio Lucas da Costa Limeira, de 15, e Samuel Melquiades Silva Oliveira, além da inspetora escolar Eliana Regina de Oliveira Xavier, de 38. O também estudante Douglas Murilo Celestino, de 16 anos, e o dono da locadora de veículos Jorge Antonio de Moraes, de 51, foram sepultados em outros locais e não participaram do velório coletivo, realizado na quinta-feira (14) na Arena Suzano.

Fonte: Agencia Brasil