Estudantes e docentes dos Institutos Federais de Minas Gerais (IFMG) e do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) temem um fechamento das instituições após o corte de verba feito pelo Ministério da Educação.

O Diretório Central dos Estudantes (DCE) sinaliza fechamento do instituto em um futuro, já o IFMG diz que com o corte de verbas, só haveria recursos para funcionar até setembro deste ano. 

Nesta sexta-feira (10)  o DCE divulgou uma nota dizendo que em uma conversa com o diretor-geral da instituição, professor Flávio dos Santos, e que ele sinalizou um fechamento do Cefet, caso o corte de verbas realmente aconteça, porque não seria possível arcar com serviços básicos, como limpeza, vigilância, luz e outros. 

“Se permanecer o corte existe essa tendência de fechar no futuro, a gente ainda não tem informações sobre fechamento de cursos, mas se sem a verba não haverá recursos para manter o Cefet”, informou o secretário geral do DCE Rodrigo França.

O que diz o Cefet

Por meio da assessoria de imprensa, o Cefet informou que não há nenhuma previsão de fechamento e nem cortes de cursos. Mas por meio de nota, o órgão afirmou que espera a reversão dos cortes. 

“Novos cortes inviabilizam o pagamento de serviços básicos, como despesas com água, energia elétrica e atividades terceirizadas. Importa destacar que, do total de recursos de manutenção e funcionamento da Instituição, foram bloqueados R$16.983.100,00 em um orçamento de R$48.048.931,00 (excluída a Assistência Estudantil), correspondendo a um corte de 35,4%”, informou o Cefet. 

“Por fim, acreditamos na reversão dessa medida, que inviabiliza a oferta educacional em curto prazo, bem como compromete o futuro da Educação Pública no Brasil em longo prazo”, complementa a nota. 

Com corte, o IFMG só funcionária até setembro

Em nota oficial o IFMG afirma que com os cortes a instituição só conseguiria funcionar até setembro.  “Os impactos, números e a previsão orçamentária para o ano 2019 foram analisados com cuidado pela equipe de gestão e tecnicamente se chegou à conclusão de que, com o corte de R$ 20,6 milhões (cerca de 32%), o IFMG só terá recursos para manter suas atividades em funcionamento até o mês de setembro”, informou. 

Segundo o Instituto, o corte compromete “17 mil alunos e toda a estrutura de ensino, pesquisa e extensão envolvida na realização das rotinas pedagógicas e administrativas de nossos 18 campi.”, complementou. 

Protestos

Os alunos do Cefet marcaram um protesto para a próxima terça-feira (14) no auditório principal do Campus II, na avenida Amazonas, às 17h30. O IFMG também fará um protesto na semana que vem. Na próxima segunda-feira (13) haverá um ‘Abraço pela Educação’ em vários Estados do Brasil.

Em Belo Horizonte, o ato acontece na reitoria do IFMG, na avenida Mário Werneck 2.590, bairro Buritis, região Oeste da capital.  Também serão realizados atos nos 18 campi do IFMG espalhados em cinco regiões de Minas.

Na região metropolitana da capital, as mobilizações vão acontecer em Betim, Ibirité, Sabará, Santa Luzia e Ribeirão das Neves.

Fonte: Agencia Brasil