Não vai ter greve. Nesta quarta-feira (15), o Sindicato dos Rodoviários de Salvador se reuniu com a categoria e apresentou a proposta feita pelos empresários, acatada pelos trabalhadores. O encontro aconteceu no Ginásio dos Bancários, na região dos Aflitos, em Salvador. 

A proposta da classe patronal foi apresentada na terça (14), durante uma assembleia no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no bairro de Nazaré. De acordo com Fábio Primo, vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários de Salvador, foi proposto um aumento de 5,1% nos salários e de 9,5% no tíquete refeição, que passa de R$ 18,26 para R$ 20.

Foram conquistadas ainda algumas “cláusulas sociais”, como ele define. Entre elas, estão a prioridade de contratação para trabalhadores formados na escolinha dos sindicatos e a possibilidade de apresentar atestados médicos após o período de afastamento por doença. Atestados de óbito e nascimento também seguem a mesma lógica.

Também foram concedidos alguns direitos, como financiamento da Carteira Nacional da Habilitação para manobristas e motoristas de microônibus, e a aprovação do esquema de permuta, para que os trabalhadores possam realizar viagens. “Grande parte dos rodoviários é do interior. Todos têm direito a uma folga sábaod ou domingo, agora, eles poderão fazer permuta, trocar ocm outro colega para que possam viajar e visitar as famílias”, explica Primo.

Atualmente, segundo informações da Integra, consórcio de empresas que administra o serviço, a frota de Salvador conta com 2,4 mil ônibus e 1,3 milhão de usuários por dia. 

Rodoviários se reuniram nesta quarta (15) para tomar decisão
(Foto: Gabriel Amorim/CORREIO)

Relembre o caso
O anúncio de que haveria greve foi formalizado pelos rodoviários em publicações oficiais nas edições de sábado (11) e domingo (12) de um jornal da cidade. A categoria reivindicava 8% de aumento no salário e 15% no tíquete refeição, e não tinha ficado satisfeita com a proposta dos representantes da classe patronal, de 3,3% de reajuste. 

Com isso, os cerca de 13 mil rodoviários da capital baiana anunciaram uma greve geral para o dia 16 de maio. 

Na última reunião entre as partes, os rodoviários também exigiram medidas consideradas por eles como “sociais”, como um ônibus para atender aos trabalhadores nos terminais de linha, diminuir o “turnão” realizado durante o plantão do final de semana, além da prioridade para contratação de profissionais advindos da escolinha do sindicato.

Os rodoviários e o sindicato já tinham se reunido também no dia 9 de maio, quando foi anunciada a greve. O encontro aconteceu na quadra de esportes do Ginásio dos Bancários, na região dos Aflitos, em Salvador. A categoria está em estado de greve desde o dia 2 de maio. 

Por conta da campanha salarial, os rodoviários chegaram a atrasar a saída de 600 ônibus das garagens no dia 25 de abril, em três garagens diferentes do consórcio Integra, sendo uma da bacia amarela (Plataforma), uma da verde (OT Trans) e outra da linha azul (Salvador Norte). As empresas foram multadas – o valor não foi informado pela Semob.

* Com informações de Gabriel Amorim, sob supervisão da subeditora Fernanda Varela

Fonte: Correio