Quinto país mais populoso do mundo desde o fim da Segunda Guerra, o Brasil foi ultrapassado pelo Paquistão em 2017 e agora ocupa a sexta posição no ranking, com 211 milhões de habitantes, mostra um relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) lançado nesta segunda-feira (17).

Até 2100, o país deve ser ultrapassado por Nigéria, Etiópia, República Democrática do Congo, Tanzânia, Egito e Angola, ficando em 12º lugar.

O relatório, chamado World Population Prospects (prospecções da população mundial), é lançado a cada dois anos pela divisão de população da ONU e traz análises para 235 países e áreas, baseadas em informações de censos nacionais, pesquisas por amostragem e tendências históricas.

São projeções, ou seja, tendências demográficas que estão sujeitas a alterações, pois dependem de mudanças tecnológicas, avanços médicos, condições políticas e costumes, que podem se alterar de forma imprevisível.

De acordo com o documento, o Brasil crescendo a um ritmo mais lento do que a média global, e a população do país deve chegar ao seu máximo em 2045, com 229,6 milhões de pessoas -a previsão para a população mundial é que ela pare de crescer apenas no fim do século.

A partir de 2046, prevê-se uma redução no número de pessoas no Brasil, chegando a 180,7 milhões em 2100. Segundo a projeção, o país deve perder cerca de 50 milhões de habitantes nesse período.
O número de idosos, porém, deve continuar crescendo, tendo seu pico alcançado apenas em 2075, de acordo com as previsões.

Os dados também mostram que a tendência ao envelhecimento da população mundial, comprovada pelo relatório da ONU, é ainda mais intensa no Brasil.

Em 2050, por exemplo, prevê-se que 29,4% da população no país tenha 60 anos ou mais -oito pontos percentuais acima da média prevista para o planeta. No fim do século, podem alcançar 40,1% do total.

A faixa que cresce mais rapidamente é a dos que têm 80 anos ou mais. Se em 1950 eles eram apenas 0,3% dos brasileiros, atualmente são 2% e, em 2050, devem chegar a 6,7% do total.

No mundo, eles eram 0,6% em 1950, são 1,9% atualmente e chegarão a 4,4% em 30 anos. Ou seja, a distância da proporção desse grupo etário no Brasil em relação à média global vem aumentando e deve continuar nessa tendência.

Fonte: Agencia Brasil