O zoológico de Curitiba (PR) tem um novo hóspede muito raro: uma arara-azul. O filhote está sob os cuidados dos pais desde que foi descoberto e fora do contato com os visitantes. 

A arara-azul é considerada uma ave vulnerável na escala de risco de extinção. Na natureza, foram contabilizados 4.000 indivíduos. Originária do Pantanal e da Floresta Amazônica, a população da espécie foi drasticamente afetada pela caça, pelo comércio clandestino e pelo desmatamento.

Segundo a administração do zoo da capital do Paraná, o filhote é o quarto a nascer nas dependências do espaço.

 A nova arara-azul foi encontrada pelos funcionários do zoo faz quatro meses. A equipe de cuidadores de aves notou que o casal ficava mais tempo no ninho do que o habitual. Já quase do tamanho dos pais, o filhote já se arrisca em pequenos voos.

Uma arara-azul demora a sair debaixo das asas dos pais. Do nascer até completar autonomia, a ave fica sob a tutela dos pais entre 12 e 18 meses, segundo especialistas que estudam o bicho.

Macho ou fêmea?

Após o achado, outra pergunta ainda sem resposta é: o filhote é macho ou fêmea? Segundo o zoológico de Curitiba, a pergunta só será respondida no próximo mês quando ficará pronto um teste de DNA.

O exame é necessário porque as aves não apresentam dimorfismo sexual -os sexos são superficialmente idênticos.

Ainda de acordo com o zoo, o nascimento é um marco no programa de reprodução em cativeiro de animais tocado pela instituição, que possibilitou também o nascimento de ararajubas e vários papagaios.

Novo casal

O filhote é irmão do Blu, arara-azul que fugiu dos veterinários durante um teste de voo em 2014. Na ocasião, Blu foi resgatado e colocado novamente em um recinto, onde pode ser visto pelos frequentadores do local. Blu não está sozinho. Ele divide o espaço com uma fêmea da mesma espécie.

Os dois estão se conhecendo, e a expectativa é que possam virar o mais novo casal a se reproduzir em breve no zoo de Curitiba.

Fonte: Agencia Brasil