Com dois séculos de tradição, a festa de Nossa Senhora da Boa Morte iniciou nesta terça-feira (13) na cidade de Cachoeira, no Recôncavo baiano com a saída do corpo de Nossa Senhora em procissão pelas ruas da cidade.

A Irmandade da Boa Morte, formada por mulheres descendentes de escravos, percorre as ruas da cidade na primeira quinzena de agosto. A Festa da Irmandade é considerada Patrimônio Imaterial da Bahia desde 2010.

A festa, que sempre ocorre na primeira quinzena de agosto, vai até este sábado (17). Nesta quarta (15), segundo dia da programação, acontecerá a missa de corpo presente na Capela de Nossa Senhora de Boa Morte, além da procissão do enterro da Nossa Senhora pelas principais ruas da cidade.

Na quinta-feira (15), terceiro dia de festa, e o mais forte deles, há uma alvorada com fogos de artifício, missa, uma procissão festiva em homenagem à Nossa Senhora da Glória, Valsa e samba de roda, além de almoço. É nesse dia que é comemorado a assunção da Nossa Senhora aos céus.

A sexta-feira (16) é o dia de um cozido com samba de roda no Largo D’ajuda e o último dia de programação, no sábado (17), tem Caruru e samba de roda, com encerramento da festa.

História, sincretismos e força
A festa de Nossa Senhora da Boa Morte é uma grande referência do sincretismo entre a religião católica e a cultura africana, atraindo centenas de curiosos e estudiosos em diversos campos. 

O sincretismo é um dos pontos que mais chamam atenção na festa, que possui uma programação católica e também rituais africanos.

Missas, confissões e sentinela de Nossa Senhora da Boa Morte fazem parte da programação católica; já os rituais africanos são feitos de forma muito recatada, com preceitos que se iniciam desde o começo de agosto. 

Na Bahia, a devoção a Nossa Senhora da Boa Morte tem origem em Salvador, onde os primeiros registros vêm do século XIX. A Irmandade veio para Cachoeira por volta de 1820 e sua primeira sede foi em uma casa que até hoje é conhecida como “Casa Estrela”, lugar que as irmãs reverenciam na passagem da procissão. 

A Irmandade é uma sociedade fechada e zeladora das tradições. Ela ainda mantém fortes traços de sua origem, a exclusividade de admissão para mulheres negras descendentes de escravos e com mais de 50 anos é uma das práticas mais fortes. 

Assim, as irmãs mantêm os hábitos em suas estruturas há mais de 200 anos. O quadro da Irmandade já chegou a contar com cerca de 200 mulheres. Atualmente reúne 22 irmãs, um dos nomes mais conhecidos é Dona Dalva, fundadora do Samba de Roda Suerdick. Fazem parte da irmandade mulheres de Cachoeira e também de outras cidades do Recôncavo como São Félix, Maragojipe, Santo Amaro e Muritiba.

Confira programação da Festa de Nossa Senhora da Boa Morte de 2019:

Dia 13 de agosto (terça-feira)
18H30 – Saída do corpo de Nossa Senhora da Boa Morte da Capela de Nossa Senhora D’ajuda em procissão pelas ruas da cidade.

Dia 14 de agosto (quarta-feira)
19h – Missa de corpo presente de Nossa Senhora na Capela de Nossa Senhora da Boa Morte.
21h – Procissão do enterro da Nossa Senhora da Boa Morte pelas principais ruas de Cachoeira.

Dia 15 de agosto (quinta-feira)
5h – Alvorada com fogos de artifício
10h – Missa solene da assunção de Nossa Senhora da Igreja matriz de Nossa Senhora do Rosário
11h- Procissão festiva em homenagem a Nossa Senhora da Glória e posse da comissão organizadora 2019
12h – Valsa e samba de roda no Largo D’ajuda
13h – Almoço das irmãs, convidados e pessoas da comunidade na sede da irmandade.
16h – Samba de roda no Largo D’ajuda

Dia 16 de agosto (sexta-feira) 
18h – Cozido seguido de samba de roda no Largo D’ajuda

Dia 17 de agosto (sábado)
18h – Caruru seguido de samba de roda e encerramento da Festa 2019

Fonte: Correio