O corretor de imóveis uruguaio Sebastian Martínez Oggero, de idade não informada, foi encontrado morto dentro do próprio carro, na manhã desta sexta-feira (16), na Avenida Princesa Isabel, próximo ao Porto, no bairro da Barra, em Salvador. A vítima morava em Salvador há mais de dez anos. O corpo foi encontrado em um espaço do veículo, com o banco completamente estirado. O carro estava estacionado, na contramão, em frente à Mansão Villas Boas. 

Sebastian é uruguaio, mas morava há dez anos em Salvador
(Foto: Reprodução)

O corpo foi encontrado pela namorada da vítima, que passava na região, por volta de 6h30, e viu o veículo de Sebastian, um Fiat Siena prata, com placa de Salvador – PKO 0876. Ela segue no local e acompanha os trabalhos do Departamento de Polícia Técnica (DPT). O cadáver não tem marcas de perfurações ou violência.

De acordo com a mulher, que preferiu não se identificar, o último contato que ela havia feito com Sebastian foi na noite de quarta-feira (14), quando o corretor disse que estava no bairro de Stella Maris, em companhia de “um homem que havia encontrado para ajudar com a troca de um pneu”. 

Ainda de acordo com a namorada,  que mora na parte alta da mesma avenida, o carro foi visto no momento em que ela se dirigia à academia, localizada no final da rua. A mulher se limitou a dizer que pediu ajuda a outras pessoas que passavam para quebrar os vidros do lado esquerdo do carro.

Após perícia, corpo é removido pelo Departamento de Polícia Técnica
(Foto: Mauro Akin Nassor)

Sebastian, que também mora no bairro da Barra, próximo à Associação Atlética, teria desaparecido pouco depois de ir até Stella Maris mostrar uma casa a um cliente, ainda de acordo com a mulher.

A reportagem observou que o pneu dianteiro do lado  do Siena prata, que não apresenta marca de perfurações, difere dos demais – o que pode confirmar a informação que a vítima deu em seu último contato. A perícia foi iniciada por voltas das 9h. Ainda não há maiores informações sobre as circunstâncias do caso.

Equipes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), sob a coordenação da delegada Fernanda Porfírio, estão no local.

Fonte: Correio