A Universidade Federal da Bahia (Ufba) tem uma dívida de R$ 10,6 milhões com a MAP, empresa que detém o contrato de terceirização dos 338 vigilantes que atendem a instituição. A informação foi dada pelo presidente do Sindicato dos Vigilantes (Sindivigilantes), José Boaventura Santos. Procurada, a Ufba ainda não confirmou o valor da dívida. O CORREIO tentou contato com a MAP, mas não obteve sucesso.

Segundo ele, o valor é referente a dez faturas em atraso e a orientação para que os vigilantes abandonassem os postos de trabalho na terça-feira (20) partiu da própria empresa. Nesta quarta-feira (21), a categoria trabalhou normalmente. 

“O sindicato recebeu comunicado da empresa MAP Serviços de Segurança Eireli acerca da sua decisão de suspender o contrato de trabalho dos 338 vigilantes que atuam na Universidade Federal da Bahia por falta de pagamento de faturas de serviço prestados”, informou o sindicato em nota.

Hoje à tarde, representantes do sindicato serão recebidos pelo pró-resitor Paulo Miguez para discutir sobre os salários atrasados. Também está agendada para quinta-feira (22), às 8h30, uma assembleia entre os vigilantes, na portaria do campus de Ondina.

“Há a possibilidade de a Ufba ficar sem segurança, mas primeiro vamos negociar. Ontem à noite a empresa, de forma irresponsável, mandou as pessoas paralisarem. Mas nós esclarecemos a situação e pedimos para os trabalhadores voltarem ao trabalho. Nossa convenção prevê que a gente só pare dez dias após a notificação. A MAP notificou a Ufba na sexta-feira, ainda estamos em negociação”, reforça Boaventura.

Em nota, a Ufba informou que o serviço de segurança foi normalizado e que “a Universidade reconhece que a grave situação orçamentária decorrente do contingenciamento de recursos e do bloqueio de 30% de seu orçamento pelo Ministério da Educação afeta os membros de sua comunidade, e pleiteia a liberação imediata de todo o seu orçamento”.

Sem segurança, em algumas unidades as aulas foram interrompidas na noite de terça-feira (20). “A Ufba foi surpreendida com a suspensão dos serviços de segurança agora pela noite, inclusive na Faculdade de Direito. Estamos determinando a suspensão das aulas do último horário de hoje. Amanhã avaliaremos a situação com a reitoria”, diz nota assinada pelo diretor da faculdade, Julio Cesar de Sá da Rocha.

Alunos da Faculdade de Comunicação, Bacharelado Interdisciplinar e de outras unidades no campus de Ondina também virarm as aulas acabar mais cedo. Com a notícia da falta de segurança, os alunos saíram do campus rapidamente. “É triste ter a aula suspensa por falta de segurança na universidade. Isso demonstra o interesse no sucateamento da universidade pública”, diz a estudante do BI em Artes Monique Feitosa.

Em maio, vigilantes da MAP também paralisaram as atividades na Ufba. Na época, eles afirmavam que a Ufba devia cerca de R$ 13 milhões à empresa, o equivalente a três meses de serviço, e que não estavam recebendo. Na ocasião, a Ufba reconheceu que havia uma dívida, sem confirmar o valor.  Foram somente algumas horas de protesto. Não há confirmação do motivo da paralisação de hoje.

Fonte: Correio