O mundo atual é cercado de informações visuais e os ambientes corporativos não fogem à regra. A necessidade de apresentar resultados, projetos, propostas e até mesmo vender a própria imagem exige que o profissional se acerque de todo o repertório disponível.  Não basta ter acesso a programas como Power Point, Google Slides, Sway e Deckset e achar que está com a apresentação garantida. 

O publicitário e empresário Elmo Bastos diz que na hora de preparar qualquer material é preciso evitar o excesso das informações e a falta de emoção expressada em cada slide. “Devido à agilidade do mercado, ninguém se preocupa em ler apresentações escritas – memorando, ofícios, portfólios e etc. Os slides, a postura e a oralidade são pontos fundamentais para uma boa apresentação”, explica, ressaltando que os slides não são livros e a apresentação não deve conter toda a fala. “Seja sempre sucinto, direto e lógico, comprove suas ideias sendo claro e objetivo. Seja descontraído, mas isso não pode ser uma constante.

Lembre-se que a apresentação está vendendo uma ideia para um projeto ou você para uma vaga”, completa.
Para Bastos, é sempre importante lembrar que os apresentadores são vendedores de ideias, logo, precisam negociar e defender um ponto de vista. “Cartões de memorização podem garantir tudo que você tinha planejado dizer e quando acabar a apresentação entregue um material escrito que seja claro e coeso com a sua apresentação”, orienta, salientando que o material impresso só deve ser entregue no final, para que a plateia não ignore a apresentação e se distraia com o material.

 “Coloque o máximo de informações que puder e diga ao público que irá entregar os detalhes no final. Assim, as pessoas estarão prestando atenção em você e não fazendo anotações ”. ensina.

Público 

A mestra em psicologia Ana Santos lembra que qualquer apresentação pública costuma fazer com que, quem apresenta, se sinta exposto, mas pensar dessa forma é um erro. “Quem apresenta uma fala deve se preocupar com quem é sua plateia, para falar de acordo com o vocabulário que ela domina. A única forma de se fazer entender é manter uma atitude generosa e preocupada com a compreensão de quem ouve”.

Para ela, a postura precisa ser a de quem se preocupa em se fazer entender, não por status pessoal, mas por respeito à plateia, seja ela composta por quem for. “A apresentação deve ser preparada e organizada com antecedência.  A partir daí, chegar mais cedo e deixar tudo preparado até 5 minutos antes. A postura que deve adotar é a de quem está feliz com a apresentação que vai fazer e com o fato de poder passar informação importante para as pessoas”, diz.

Ana Santos lembra que os gestos reforçam ideias, então todos aqueles que se associam à insegurança, como os braços cruzados ou as mãos no bolso, devem ser evitados. “Não precisa ser Carmem Miranda, nem ficar com a mão nos bolsos. Use o gesto para reforçar naturalmente suas ideias”.

A fonoaudióloga e especialista em Comunicação Profissional, Ana Ribeiro, faz questão de enfatizar que a comunicação profissional é clara e baseada na palavra falada. “Portanto, se for ler, que pareça que está falando com a plateia”, ensina.

Slides devem ilustrar
Você deve saber tudo o que está nos slides para poder falar sem necessitar olhar e ler tudo. Esteja de frente para a plateia e, de vez em quando, olhe o slide para terminar ou completar algum pensamento que já tinha iniciado. Use o emocional! Os dados devem consolidar a sua fala e não repetir o que está falando.

Falas como ferramentas
Fotos profissionais irão dar credibilidade às suas informações. Nada de animações nas transições dos slides. Eles não devem ser impressos e não servem sem você.  eles são exclusivos para sua apresentação. Resuma os slides, construa-os com coerência, evite excessos de informações.

Sobriedade e bom senso
Use cores sóbrias e combinadas, se segure nas transições, cuidado com tamanho da fonte. Não use letras gigantes e nem miúdas (títulos devem estar entre 32 e 44 e texto de 20 a 30).
Os slides devem conter pouco texto, ser coeso e o mais conciso possível, mantendo sempre o padrão visual.

Vícios devem ser abolidos
Os vícios de linguagem durante apresentação devem ser contidos. Nada de prolongamentos (Ãaaaah, éééh) ou estereótipos de apoio (“tá”, “né”, “Ok”). O gerúndio não é uma boa pedida, portanto, aproveite e liberte-se de uma vez por todas. É fundamental revisar a apresentação e corrigir a gramatica.

Nada de gírias
Não use absolutamente nada no diminutivo, tampouco gírias e palavras imprecisas. Os acessórios e a escolha da roupa devem ter bom gosto e parcimônia. Não é a roupa que vai substituir a capacidade. Seja discreto. Sua roupa não deve aparecer mais do que você.

Fonte: Correio