A torcida do Bahia ganhou um “novo santo”. A defesas de Douglas, ou melhor, ‘São Douglas’, no último sábado (24), garantiram o triunfo do Bahia por 1×0, sobre o Atlético-MG, no estádio Independência, a primeira do tricolor fora de casa no Brasileirão. O goleiro foi o grande nome da partida e fez pelo menos cinco ‘milagres’ que impediram o gol alvinegro.

A atuação contra o Galo não foi exceção na trajetória do goleiro na atual edilção do Campeonato Brasileiro. Os números colocam Douglas no topo entre os goleiros com mais defesas difíceis no Campeonato Brasileiro. De acordo com o FootStats, em 15 jogos do Brasileirão, o camisa 1 tricolor fez 23 defesas difíceis. Ele está empatado com Felipe Alves do Fortaleza, que também soma 23. A média do goleiro do Esquadrão é de 1,5 ‘milagres’ por paridas.

 “Foi um jogo que a gente teve bastante intervenções. Pra quem tá de fora parece que não, mas a bola mais difícil foi uma falta no segundo tempo batida por um menino que eu não conhecia, nós não tínhamos nenhum dado de como ele bate na bola, e simplesmente ele soltou a bomba. Eu estava contra o vento, a bola veio com um peso a mais, o gramado daquele lado também não estava muito bom, e foi uma defesa de um nível muito alto. Exigiu um nível alto de concentração, era final do jogo, um horário atípico e de um jogador que você não estava preparado. Esse é o grande desafio, dentro da partida você estar lúcido para, independentemente de onde for a conclusão, você puder tomar a melhor decisão”, explicou Douglas, se referindo ao chute do uruguaio David Terans.

Além disso, Douglas lidera a lista dos goleiros que ficaram mais jogos sem levar gols no Brasileirão até aqui. Das 15 partidas que fez com a camisa tricolor, ele não foi vazado em oito oportunidades. Aparecem na sequência: Weverton (Palmeiras) e Cássio (Corinthians), com sete jogos cada, e Tiago Volpi (São Paulo) e Jordi (CSA), com cinco.  

Trabalho valorizado
Em boa fase, o camisa 1 tricolor mantém os pés no chão e credencia o desempenho ao trabalho desenvolvido no Fazendão. Logo após a partida, ele dedicou o triunfo ao preparador de goleiros Rogério Lima. Douglas explicou ainda o que tem sido feito de diferente na preparação dos goleiros do clube.

“O Rogério (Lima) introduziu coisas diferente, principalmente na questão do enfrentamento e estabilização. Aqui no Brasil é uma técnica diferente, muitos goleiros se jogam para trás em uma bola que vai no seu raio de ação. Muitas vezes você desestabiliza e acaba tomando o gol. Então, ele acrescentou esse trabalho de estabilização, enfrentamento, toda a experiência que teve como goleiro e preparador. Tudo que ele colocou sobre o Douglas goleiro, eu procurei assimilar e acho que a gente tem conseguido ser competitivo durante os jogos”, disse Douglas, antes de contnuar:

“O Rogério é um cara que eu admiro como pessoa e como profissional. Ele tem feito a diferença para mim aqui no Bahia. Desde que a gente começou a trabalhar juntos a gente acrescentou alguns trabalhos que eram diferentes para mim. Foi um desafio novo, não só vir para o Bahia, mas essa nova visão do futebol, essa atualização que a gente tem que fazer sempre. O Rogério ajuda na nossa preparação no dia a dia, mas também no convívio entre os goleiros, com o Anderson, o Fernando, com os outros preparadores da base e os meninos que vem sempre trabalhar com a gente. Isso é muito bom e dá a tranquilidade para o trabalho seja de alto nível. Nós temos a nossa competitividade um com o outro, isso é normal, mas mais do que isso temos a liberdade para dar o nosso melhor e crescer. Todos os goleiros aqui têm crescido, o Anderson, o Fernando, os meninos da base. Todos”, completou ele.

O próximo desafio de Douglas, e do Bahia, será no próximo sábado (31), quando recebe o CSA, às 16h, na Fonte Nova, pela 17ª rodada do Brasileirão.

Fonte: Correio