Morta neste domingo (25), Fernanda Young, 49 anos, deixou séries, programas de TV, filmes e livros. Veja destaques da obra da escritora, roteirista, atriz e apresentadora, que foi vítima de uma crise de asma seguida de parada cardíaca

Os Normais

(Foto: Cristiana Isidoro / Divulgação)

Talvez o maior sucesso da carreira de Fernanda Young como roteirista, o humorístico marcou época na TV brasileira. A série acompanhava as maluquices do atrapalhado casal Vani (Fernanda Torres) e Rui (Luiz Fernando Guimarães).

Saia Justa

(Foto: Divulgação)

Entre 2002 e 2003, Young integrou a primeira formação do programa de TV “Saia justa”, no GNT, ao lado de Rita Lee, Mônica Waldvogel e Marisa Orth.

Aritmética

(Foto: Reprodução)

Um dos best-seller de Fernanda, o livro usa como fio condutor a relação de amantes do escritor João Dias com a aposentada América, ambos com 75 anos, para descrever um círculo de relacionamentos que mistura amor, desejo, raiva, tristeza e frustração.

Macho man

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Outra série criada com seu marido Alexandre Machado, conta a história do personagem Nélson interpretado por Jorge Fernando, que não é gay, nem hétero — é um tipo em transição. A série brinca com diversos clichês sobre sexualdiade.

Muito gelo e dois dedos d’água

(Foto: Divulgação)

Com roteiro de Young e Alexandre Machado, a comédia romântica com ingredientes de perseguição de filme policial é dirigida por Daniel Filho. O longa é estrelado por Mariana Ximenes, Paloma Duarte e Thiago Lacerda.

Como aproveitar o fim do mundo

(Foto: Divulgação)

Na série “Como aproveitar o fim do mundo”, Fernanda e Alexandre começaram uma carreira internacional entrando pela porta da frente. A série foi adaptada pelo canal americano CW, onde ganhou o nome de “No tomorrow”.

Drama, humor e sarcasmo

Autora de séries de sucesso, como “Os Normais”, “Minha Nada Mole Vida”, “Os Aspones” e “Shippados”, a artista se preparava para estrear no dia 12 de setembro a peça, Ainda Nada de Novo, em que contracenaria junto com a atriz Fernanda Nobre:

 “A última vez que falei com Fernanda foi na sexta-feira (23). Fernanda já estava com a malinha para ir para o sítio e disse que ia relaxar no fim de semana para se preparar para a peça”.

A atriz e escritora levou os textos para repassar no fim de semana (em sua penúltima foto no Instagram, ela aparece no sítio com os textos ao lado). As colegas iam se reencontrar nesta segunda (26).

Fernanda Maria Young de Carvalho Machado nasceu em Niterói (RJ) e frequentou a faculdade de letras da Universidade Federal Fluminense, cursou jornalismo na Faculdade Hélio Alonso e Rádio e TV na Faap, mas não terminou nenhum dos cursos.

A carreira como atriz e autora era só algumas das muitas inúmeras facetas de Young. Como escritora foram 14 livros publicados, entre eles, “Pos-F”, “Estragos” e “A mão esquerda de Vênus”.  Editora de diversos livros de Fernanda, Leila Name disse que, em novembro, será publicado um livro inédito escrito por ela aos 17 anos, cujos manuscritos Fernanda havia localizado recentemente. Ela também estava se dedicando a outra obra, mais extensa, intitulada “O Livro”, que reconta situações reais por meio da ficção. Essa obra fica inacabada.

E um dos temas preferidos de Fernanda Young eram os relacionamentos.  Em 1995, ela estreou como roteirista no programa “A Comédia da Vida Privada”, da Rede Globo, onde junto com seu marido  Alexandre Machado, adaptou os textos de Luis Fernando Veríssimo para a televisão.

Ainda na tevê, uma das suas séries de maior sucesso foi “Os Normais”, comédia estrelada por Fernanda Torres e Luiz Fernando Guimarães, também exibida pela Globo entre 2001 e 2003. A série deu origem a dois filmes, um de 2003 e outro de 2009. Ainda no cinema, participou do roteiro de “Bossa Nova” e “Muito Gelo e Dois Dedos D’Água”.

Trabalhando sempre em parceria com Alexandre Machado, Fernanda Young assinou as séries “Os Aspones”, “O Sistema”, “Separação?!”, “Macho Man”, “Como Aproveitar o Fim do Mundo”, “O Dentista Mascarado”, “Vade Retro”, o especial de fim de ano “Nada Fofa” e os quadros do Fantástico: “As 50 Leis do Amor” e “Super Sincero”.

Fernanda também apresentou o programa “Irritando Fernanda Young”, entre 2006 e 2010, e “Confissões do Apocalipse”, em 2012, ambos no canal GNT. Também participou de outros programas, como “Saia Justa” e “Odeio Segundas”. E, no canal Viva, do “TV Mulher”.

Ela foi indicada duas vezes ao prêmio de Melhor Comédia do Emmy Internacional, por “Separação?!” e “Como Aproveitar o Fim do Mundo”. Seu último trabalho como roteirista na Globo foi “Shippados”.

E ela realmente fez de tudo. Até pousou nua na revista Playboy em 2019. A edição vendeu bem acima das suas expectativas: “Espero que mais mulheres inteligentes e incomuns posem para a revista, cada vez mais nuas e mais livres”, disse na época.

Em 2013, ela escreveu e atuou como uma das protagonistas da série “Surtadas na Yoga”, com 13 episódios na primeira temporada. A série contou a história de três mulheres e o que elas faziam para não surtar.

Em sua última coluna para o jornal “O Globo”, Fernanda Young analisa “os cafonas” no Brasil de hoje. “O cafona fala alto e se orgulha de ser grosseiro e sem compostura. Acha que pode tudo e esfrega sua tosquice na cara dos outros. Não há ética que caiba a ele. Enganar é ok. Agredir é ok. Gentileza, educação, delicadeza, para um convicto e ruidoso cafona, é tudo coisa de maricas”, escreveu.

O corpo de Fernanda foi velado em São Paulo neste domingo (25)  e foi sepultado no Cemitério de Congonhas, na Zona Sul da capital. Fernanda deixa o marido, Alexandre Machado e quatro filhos: as gêmeas Cecília Maddona e Estela May, de 19 anos; Catarina Lakshimi, de 10 anos; e John Gopala, também de 10 anos.

Fonte: Correio