As vésperas de colher uma das maiores safras de algodão de todos os tempos, produtores rurais de todo o Brasil estão reunidos no 12° Congresso Brasileiro do Algodão, em Goiás. Durante os próximos dias, a capital goiana será a sede de discussões sobre a cotonicultura, um dos setores agrícolas que mais cresce no país.

O encontro é realizado a cada dois anos, e nesta edição terá como tema central “a cotonicultura como vitrine para a agricultura do amanhã”, como foco na inovação e na rentabilidade. O evento acontece as vésperas de uma das maiores safras de todos os tempos.

Durante o congresso vão ser discutidos vários temos que envolvem a cadeia produtiva, desde o monitoramento das lavouras, o uso de novas tecnologias e os problemas enfrentados pelo segmento, como os entraves na infraestrutura e na comercialização da fibra.

“A atividade é reconhecida como exemplo de incorporação tecnológica, de qualidade, produtividade, sustentabilidade e também de organização e união daqueles que são os protagonistas deste sucesso. Sabemos da responsabilidade que temos de manter essa reputação, fortalecer a nossa imagem e superar as nossas marcas, e não há maneira melhor para isso que através da geração e difusão do conhecimento”, afirma Milton Garbugio, presidente da Associação Brasileira de Produtores de Algodão, e coordenador do congresso.

O Brasil é o terceiro maior produtor de algodão do mundo, e a Bahia tem forte participação no setor. O estado é o segundo maior produtor do país, atrás apenas do Mato Grosso.

CIÊNCIA

A ciência será um dos destaques do congresso. Cientistas da Embrapa mostrarão resultados de pesquisas voltadas para aumento da sustentabilidade do setor e aplicação de novas soluções no combate as pragas.

“Vamos apresentar a performance dos principais fungicidas utilizados no controle da mancha de ramulária, os problemas que têm havido com a resistência destes fungicidas e estratégias de manejo para minimizar esses problemas. Com essas informações esperamos permitir ao produtor melhorar o seu programa de controle da doença e reduzir os custos com aplicações”, afirma o coordenador da Rede na Embrapa, pesquisador Alderi Araújo.

Empresas líderes de mercado também apresentarão novidades. Com um dos maiores portfólios do mercado voltados para o cultivo do algodoeiro, a BASF, apresentará inovações no segmento de sementes e inseticidas. Um deles é o novo ingrediente ativo chamado de Inscalis, uma tecnologia que deve ser lançada nos próximos anos no país, para o controle de insetos sugadores.

“Esta nova molécula será uma importante ferramenta para o manejo de pulgão e mosca branca, evitando prejuízos nas lavouras de algodão”, afirma Luiz Fernando Straioto, gerente de Marketing de Algodão e Feijão da BASF.

SERVIÇO

O QUE: 12º Congresso Brasileiro do Algodão
ONDE: Centro de Convenções de Goiânia, Goiás
QUANDO: 27 a 29 de agosto de 2019

Fonte: Correio