O Ministério da Saúde liberou 1,6 milhão de doses extras da vacina contra o sarampo, destinadas a crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias. Deste total, a Bahia será contemplada com 98.633 ampolas.

De acordo com o Ministério da Saúde, até o momento já foram adquiridas 28,7 milhões de doses adicionais de vacinas contra sarampo, que irão garantir o abastecimento do país até 2020. Por meio de nota, a pasta informou que, até o momento, já foram enviadas 17 milhões de doses para todo o país, para atender a vacinação de rotina e bloqueio vacinal. Desse total, 1,2 milhão foi para o estado da Bahia.

O envio das doses é feito mensalmente aos estados, que são responsáveis pela distribuição aos municípios, de acordo com as necessidades locais. Atualmente, a cobertura vacinal na Bahia para a doença é de 62%.

De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), até o último levantamento, feito em 10 de agosto, foram 221 casos suspeitos de sarampo. Deste total, 117 (52,94%) foram descartados e apenas um foi confirmado (0,45%), mas a doença não foi adquirida em Salvador. Os demais 103 casos (46,61%) estão em investigação.

O caso confirmado ocorreu com uma menina de 12 anos que contraiu a doença em uma viagem para a Espanha. A garota mora em Salvador e viajou no dia 21 de junho, iniciando os sintomas no dia 1º de julho, quando apresentou febre alta, dor de garganta e conjuntivite. A paciente voltou para casa apenas no dia 4 de julho, já doente.

Em Salvador, são 129 unidades de saúde que podem ser procuradas para a vacinação. Podem se vacinar pessoas de 6 meses a 39 anos, e a quantidade de doses é determinada pela faixa etária. Quem tiver dúvidas sobre se deve ou não se vacinar pode procurar um posto de saúde para orientações. Os postos na capital funcionam das 8 às 17h.

As doses extras foram anunciadas após a primeira morte confirmada por causa da doença, em São Paulo. O estado não registrava um óbito por sarampo desde 1997. A vítima foi um homem de 42 anos que não tem registros de vacinação.

O sarampo é uma doença viral aguda, considerada uma das mais contagiosas, com potencial para ser extremamente grave, afetando principalmente crianças menores de 5 anos, especialmente as mal nutridas, e bebês não vacinados. No entanto, pode acometer também pessoas não imunizadas de qualquer idade.

Os principais sintomas são tosse, em geral seca e irritativa; febre alta; coriza, sensibilidade à luz; manchas vermelhas na pele e dor no corpo. O sarampo também pode causar infecções respiratórias, inflamação nos ouvidos, encefalite com dano cerebral, surdez e lesões severas de pele. Em gestantes, pode provocar aborto ou parto prematuro. A transmissão acontece por secreções como gotículas eliminadas pelo espirro, tosse e fala.

Fonte: Correio