O Brasil teve 2.331 casos de sarampo confirmados nos últimos 90 dias, o que equivale a mais de 25 casos por dia, sendo um novo caso a cada hora. A primeira morte por sarampo neste ano foi confirmada ontem pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. A vítima é um homem de 42 anos. A capital paulista contabiliza 1.637 casos confirmados da doença, que é altamente contagiosa e grave. 

Em Minas Gerais, aproximadamente 8,9 milhões de pessoas estão mais vulneráveis, ou seja, não possuem as duas doses da vacina necessárias para proteção, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG). Dessas, 5,5 milhões têm entre 1 a 29 anos, o que equivale a mais de duas vezes a população de Belo Horizonte. 
Em território mineiro, neste ano já foram confirmados quatro casos da doença. Segundo o órgão, desde o início de 2019, foram notificados 221 casos suspeitos de sarampo provenientes de 78 municípios em Minas. Desses, 162 foram descartados e 55 ainda estão sob investigação.

Segundo o último boletim divulgado pela SES-MG, dos 55 casos que se encontram em investigação, existem três casos que “muito provavelmente” serão confirmados, mas que ainda necessitam percorrer etapas da investigação e protocolos que impedem esta classificação até o momento. Um caso é de Viçosa, um de Uberlândia e um de Passos. 

De acordo com a diretora de Promoção a Saúde e Vigilância Epidemiológica de Belo Horizonte, Lúcia Paixão, a prefeitura já estava em alerta “desde que foi confirmada a transmissão ativa do vírus em São Paulo e no Rio de Janeiro, pois são Estados vizinhos e com um transito muito grande de pessoas com Minas”. 
Mas, com essa primeira morte na capital paulista, Lúcia afirma que a “corrida” aos postos de saúde é necessária principalmente para a população verificar a sua situação vacinal. “Serão vacinadas pessoas que não estiverem com a situação vacinal adequada ou que desconhecerem sua situação vacinal”, explica.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, pelo menos 460 mil pessoas, entre 5 e 29 anos estão sem a vacinação adequada. A vacina faz parte da rotina de imunização dos Centros de Saúde e estão disponíveis o ano inteiro, inclusive para adultos, de segunda a sexta, das 9h às 17h. 

A diretora admitiu que a PBH já estuda estender o horário de vacinação nos postos para atender a demanda. Na rede particular, os preços da dose da triviral em Belo Horizonte variam de R$ 50 a R$ 120.

Situação. No ano de 2018, foram confirmados 12 óbitos por sarampo em três Estados da região Norte (Amazonas, Roraima e Pará), destes, 50% (6) eram menores de 1 ano. Em abril deste ano, o Brasil perdeu o certificado de país livre do sarampo obtido em 2016. 

Diante do surto, no início do mês, o Ministério da Saúde aumentou nível de alerta para sarampo no país e colocou em operação o Comitê Operativo de Emergência em Saúde (COE) para fazer um acompanhamento diário da doença. Em seguida, ampliou a recomendação de vacinação para crianças entre 6 e 11 meses de idade, a chamada dose zero.

Primeira vítima é um homem de 42 anos

A vítima de sarampo na cidade de São Paulo é um homem de 42 anos que não tinha registro de vacinas e possuía vulnerabilidade para infecções. “O paciente faleceu em 17 de agosto, e a morte por sarampo foi confirmada hoje (ontem). Ele tinha uma condição clínica que o deixava vulnerável a infecções”, explicou Solange Maria Saboia, diretora da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa). 

No Estado de São Paulo, foram confirmados 2.457 casos da enfermidade. Uma campanha de vacinação é realizada pela Prefeitura de São Paulo até sábado, dia 31. A ação foi iniciada em junho e é voltada para a população entre 15 e 29 anos. Crianças entre 6 meses e 1 ano também estão sendo vacinadas.

Fonte: Agencia Brasil