A música de África e da Bahia se misturando em um seminário cujo maior propósito é pôr em evidência as sonoridades de quatro países do continente: África do Sul, Angola, Congo e Senegal. A relação com a Bahia é inevitável, afinal a conexão entre os dois territórios é ancestral mas há muito a se desbravar. Por isso, de quarta a sexta, o seminário Sons da África promove mesas de debate, palestras e shows gratuitos, no Goethe Institut (Corredor da Vitória).

“As musicalidades – tradicionais, populares e contemporâneas – de países africanos apresentam uma impressionante e atual produção fonográfica, elas continuam praticamente desconhecidas no Brasil e na Bahia”, destaca a organização do evento. As inscrições podem ser feitas através de formulário online e no local. 

O seminário nasce a partir da presença em Salvador do escritor e jornalista alemão Max Annas, residente do Programa de Residência Artística Vila Sul do Goethe-Institut, que, por muitos anos, viveu na África do Sul, pesquisando e reportando a produção cinematográfica e da música popular africana do século 20. Seu interesse pelo assunto o faz permanecer investigando, na Bahia, a repercussão deste universo. 

Também estão à frente do evento os grupos de pesquisa África-Brasil: Produção de conhecimentos, sociedade civil, desenvolvimento e cidadania global, da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), e Koringoma – Artes musicais africanas e da diáspora africana, da Universidade do Estado da Bahia (Uneb).

Na quarta-feira, 4 de setembro, às 19h, a mesa de abertura reúne DJ Sankofa; o professor de música, artista e doutorando em Etnomusicologia Marcos Santos; e os professores Bas’Ilele Malomalo e Katharina Döring, coordenadores, respectivamente, dos grupos de pesquisa África-Brasil (Unilab) e Koringoma (UNEB). Na ocasião, será exibido o filme “Ceddo”, de Ousmane Sembène.

Já na quinta-feira, dia 5, das 9h às 12h, a manhã será dedicada a Congo-Angola, com explanação feita pelo congolês Bas’Ilele Malomalo, doutor em Sociologia, docente no Instituto de Humanidades e Letras (IHL) da Unilab e coordenador do Programa de Extensão Latitudes Africanas; e pelo angolano Israel Mawete Ngola, coreógrafo e músico, graduado no curso de Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades e licenciando em Ciências Sociais.

À tarde, das 14h às 17h, vem o Senegal, com apresentação de Max Annas e o convidado Doudou Rose Thioune. O encerramento, às 18h, é com música de Doudou Rose Thioune e Babacar Niang – Gewels de Dakar.

No último dia, 6 de setembro, sexta-feira, a manhã, das 9h às 12h, debate a África do Sul, novamente com Max Annas. À tarde, das 14h às 17h, a roda de conversa “Músicas africanas no Brasil e sua importância para as musicalidades afro-brasileiras – uma lacuna na pesquisa, educação e produção cultural” terá participação de Anderson Petti (músico, compositor e pesquisador, mestrando em Educação Musical), Giba Conceição (percussionista e compositor), Israel Mawete Ngola (coreógrafo e músico), Marcos Carvalho (graduado, mestre e doutor em Filosofia, pós-doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade, professor da Unilab), Marcos Santos (professor de música, artista e doutorando em Etnomusicologia), Monica Millet (percussionista e compositora), Okwei Odili (cantora e compositora), Raymundo Sodré (compositor e cantor), Thon Nascimento (compositor, violonista e pesquisador de música africana) e Viviam Carolina (compositora, percussionista e cantora), com mediação de Bas’Ilele Malomalo e Katharina Döring. Para fechar, às 18h, show do grupo MAKAMBA.

SERVIÇO

O quê: Sons da África – Introdução às músicas populares africanas: África do Sul – Angola – Congo – Senegal
Quando: 4 a 6 de setembro de 2019 (quarta a sexta)
Onde: Goethe-Institut Salvador-Bahia (Av. Sete de Setembro, 1809, Corredor da Vitória)
Quanto: Inscrições gratuitas em http://bit.ly/sons-da-africa ou no local
Classificação indicativa: 12 anos

PROGRAMAÇÃO
4 de setembro

19h: mesa de abertura, com DJ Sankofa, Marcos Santos, Bas’Ilele Malomalo e Katharina Döring
Exibição do filme “Ceddo”, de Ousmane Sembène

5 de setembro
9h às 12h: Congo-Angola, com Bas’Ilele Malomalo e Israel Mawete Ngola
14h às 17h: Senegal, com Max Annas e Doudou Rose Thioune
18h: Encerramento musical com Doudou Rose Thioune e Babacar Niang – Gewels de Dakar

6 de setembro
9h às 12h: África do Sul, com Max Annas
14h às 17h: Roda de conversa “Músicas africanas no Brasil e sua importância para as musicalidades afro-brasileiras – uma lacuna na pesquisa, educação e produção cultural”, com Anderson Petti, Giba Conceição, Israel Mawete Ngola, Marcos Carvalho, Marcos Santos, Monica Millet, Okwei Odili, Raymundo Sodré, Thon Nascimento e Viviam Carolina. Mediação: Bas’Ilele Malomalo e Katharina Döring
18h: Encerramento musical com grupo MAKAMBA

Fonte: Correio