Os gêmeos Venâncio e Vinícius Brandão de Jesus, 21 anos, não são modelos, mas gostam de causar. Juntos, fazem pose, lacram nos looks e têm atitude de sobra. Por isso, quando souberam que as seletivas para modelos não agenciados do Afro Fashion Day (AFD) começaram, trataram logo de fazer suas inscrições.

Os gêmeos Venâncio e Vinícius Brandão de Jesus, de 21 anos: muita atitude (Foto: Betto Jr.)

A etapa escolhida foi a do Malê Debalê, realizada nesta quinta-feira (5), na sede do bloco, em Itapuã. “Viemos trazer a diversidade, nossa forma de vestir, de andar”, diz Venâncio. “E se não vencermos, pelo menos, fizemos novos amigos”, completa Vinícius. E parecia mesmo um encontro marcado de uma galera jovem e cheia de atitude. A seletiva do Malê bateu recorde de inscrições, 174 ao todo. 

Foi com a mesma vontade de mostrar a que veio que Stefany Gomes, 20, foi à seletiva. A garota, que trabalha com música, dança e teatro, acredita que o desfile realizado pelo jornal CORREIO no mês da Consciência Negra é uma grande celebração da arte em forma de moda. “Tem uma magia que acontece quando você desfila”, acredita a candidata a modelo, que garante ter como meta “pisar na passarela do Afro e dizer que o negro pode sim estar em um lugar de destaque”.

Stefany Gomes e William Gomes na disputa pelas vagas na passarela do AFD (Foto: Florian Boccia?Estúdio Correio)

A terceira das seis seletivas de modelos teve como júri os estilistas do AFD Alex Millany e Cynthia Paixão e o designer de moda do Malê Debalê e arte-educador Jean Nogueira, que se surpreenderam com os candidatos. “Desde que comecei a participar do Afro, há quatro edições, percebo uma mudança na atitude e hoje, e estando nesta função, vejo esses jovens, que fazem parte da nossa periferia negra, dispostos a buscar um sonho”, revela Cynthia.

Os estilistas Jean Nogueira, do Malê Debalê, Alex Millany e Cynthia Paixão formaram o júri (Foto: Florian Boccia/Estúdio Correio)

Os participantes das seis seletivas de 2019 concorrem a vagas na passarela do Afro Fashion Day, projeto realizado em novembro que destaca o talento dos modelos negros de Salvador e a criatividade de estilistas e designers de acessórios baianos, que juntos transformam a data na mais fashion do calendário de eventos da cidade.

A seletiva do Malê Debalê teve 174 inscritos (Foto: Florian Boccia/Estúdio Correio)

Gabriel Almeida, 24, é estudante e professor de Educação Física, mas desde que o AFD foi criado sonha em sair da plateia e pisar em sua passarela. “Eu quero estar lá celebrando nossa cor, que é linda, e ajudar a mudar a história mostrando que preto também tem seu lugar. O estudante de Tecnologia da Informação, William Gomes, 20, engrossa o coro da representatividade. “Não são muitos os lugares que abrem espaço para os modelos negros, por isso a importância de garantir uma vaga neste desfile”.

Os participantes das seis seletivas de 2019 concorrem a vagas na passarela do Afro Fashion Day (Foto: Florian Boccia/Estúdio Correio)

“Um jovem de periferia que acha que não tem talento ou oportunidade, neste momento se sente representado e ganha uma nova esperança”, afirma Alex Millany, que usou sua expertise como criador de moda para avaliar os candidatos. “Me sinto extremamente feliz e realizado por fazer parte desse momento enquanto pessoa e profissional na área”, completa.

Homenagem
Para celebrar sua quinta edição, o desfile deste ano terá como tema a identidade do Cortejo Afro, Filhos de Gandhy, Ilê Aiyê, Malê Debalê, Muzenza e Olodum, revelada através da beleza estética de suas fantasias. Por conta disso, o AFD 2019 está homenageando cada seletiva de modelos não agenciados com o nome de uma entidade.

Com nas edições anteriores – a do Olodum na sede do Pelourinho e a dos Filhos de Gandhy no Mercado Iaô (Ribeira), a receptividade do Malê Debalê foi imensa. O bloco abriu sua casa, recepcionou a todos com jovens usando suas fantasias e elegeu seu designer de moda para compor o júri.

O bloco abriu sua casa, recepcionou a todos com jovens usando suas fantasias (Foto: Florian Boccia/Estúdio Correio)

Jean Nogueira avaliou os candidatos com seu olhar para a moda ao mesmo tempo em que fortaleceu seu papel. “É importante contribuir de forma artística e, ao mesmo tempo, representar o Malê, referência para a comunidade negra”, disse. Estes jovens precisam estar em cena e o valor do evento está em, a cada ano, dar mais visibilidade para um povo que precisa ser visto”, avalia.

 

Faltam três
As próximas seletivas de modelos para o AFD são a do Ilê Aiyê, dia 12, na Senzala do Barro Preto (Curuzu/Liberdade); a do Muzenza, dia 20, no Centro Cultural Plataforma; e a do Cortejo Afro, dia 26, no espaço do bloco no Conjunto Pirajá. As inscrições podem ser feitas através deste link: bit.ly/afdseletivas2019.

Fonte: Correio