Garimpeiros que operavam ilegalmente dentro da floresta nacional do Crepori, no Pará, distribuíram áudios e vídeos convocando moradores a reagir contra fiscalização do Ibama e questionando o presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ). Os fiscais do Ibama e do ICMBio e agentes da Força Nacional atuaram na semana passada na região e queimaram retroescavadeiras e máquinas usadas para destruir o ambiente.

Havia milhares de garimpeiros operando garimpos ilegais na floresta, segundo integrantes da operação. 

Amparados na legislação ambiental empregada várias vezes em anos anteriores mas que sofreu ataques recentes de Bolsonaro, os fiscais decidiram queimar os equipamentos porque havia risco de garimpeiros atacarem a fiscalização durante o reboque das máquinas -já houve tentativas de resgate do gênero.

A queima provocou a reação de garimpeiros em grupos de aplicativos de celular e redes sociais.

“Olha, isso é a ordem do nosso presidente Bolsonaro. Queimaram tudo, do trabalhador. Um milhão de reais queimado aí, uma PC [retroescavadeira] na reserva. [Ele disse] que não ia queimar mais nada. […] ICMBio e Força Nacional, chegaram queimando tudo aí”, disse um garimpeiro enquanto filmava o incêndio. 

No vídeo, ele reconheceu que a destruição ocorreu “na reserva”, patrimônio público protegido por legislação. “Cadê você, Bolsonaro, que ia fazer alguma coisa e não era para botar fogo. Por que não levaram preso, para doar para alguma instituição. Essa é a ordem do nosso presidente, que nós votamos nele. Olha aí”, reclamou outro garimpeiro.

Em outro ponto da floresta, um garimpeiro filmou uma retroescavadeira em chamas. “Olha a situação. Estamos aqui dentro da reserva. Uma escavadeira Caterpillar. Eu queria, Bolsonaro, […] que você visse esse vídeo e explicasse para o Brasil por que está acontecendo isso aí. Você disse que não ia acontecer mais”, disse.

Em áudio distribuído por um aplicativo de telefone celular, os garimpeiros chegaram a cogitar uma reação física contra os fiscais do Ibama e do ICMBio, o que não chegou a ocorrer. 

Em um áudio, um garimpeiro exortou seus colegas a prenderem os fiscais dentro da reserva: “Bicho, eu acho que tinha que trancar essa saída dessas camionetes aí. E chamar a população e não deixar esses ‘fdp’ sair daí de dentro. Rapaz, isso aí não tem ordem do governo para fazer isso aí, não. […] O governo é a favor da garimpagem, pô. Isso está fora da lei. Tem que prender esses vagabundos aí. A população da Moraes [de Almeida, vila de Itaituba], os garimpeiros da Moraes, tem quantos mil garimpeiros na Moraes? Um prejuízo desse aí. Junta todo mundo e tranca eles aí.”

No final da semana, os garimpeiros começaram a organizar um bloqueio da rodovia BR-163 perto de Itaituba que, segundo eles, deve começar às 6h desta segunda-feira (9). Um líder garimpeiro identificado como Ricardo disse que o protesto terá o apoio de também de madeireiros e empresários de diversas cidades da região, como Novo Progresso.

“Então vamos reunir todo mundo na [rodovia] BR, quem puder estar lá com certeza vai estar ajudando. […] Vamos fechar a BR no [local conhecido como] Rodeio. Vamos colocar uma escavadeira lá na frente. Vamos pedir para acabar com essa queimação, vamos pedir para regularizar os garimpos”, diz o líder garimpeiro.

Neste domingo (8), os garimpeiros começaram a espalhar um aviso sobre o protesto na rodovia. “Reivindicamos legalização dos garimpos e principalmente para o Ibama/ICMBio parar com a destruição dos equipamentos com fogo”, diz o folheto virtual. A legalização de “mais de 800” garimpos na Amazônia foi aventada pelo próprio ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) em entrevista à Folha de S.Paulo no mês passado.

A reportagem apurou que a fiscalização do Ibama, do ICMBio e da Força Nacional ocorreu na última semana em três locais protegidos: terra indígena Kaiaby, em Mato Grosso, e as florestais nacionais Crepori e Jamanxim, no Pará.
 

Fonte: Agencia Brasil