Lucas Andrade, de 21 anos, foi o primeiro a chegar na quarta seletiva de modelos não agenciados do Afro Fashion Day, realizada nesta quinta-feira (12), sede do bloco Ilê Aiyê – Senzala do Barro Preto, no Curuzu. Ele não mediu esforços e saiu de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador, para ir atrás do sonho de desfilar na passarela do evento realizado pelo CORREIO em novembro, mês em que se celebra a consciência negra. “Eu já venho sonhando com o Afro Fashion Day há muito tempo. É minha primeira tentativa e estou com a expectativa de participar do evento”, conta o jovem com confiança.

Lucas Andrade foi o primeiro candidato a chegar no Ilê Aiyê (Foto: Florian Boccia / CORREIO)

E era justamente a confiança dos candidatos que os jurados estavam buscando. “Nas seletivas fugimos dos padrões. Então, avaliaremos a atitude da pessoa”, ressalta João Damapejú, um dos jurados da seletiva no Ilê Aiyê e estilista da marca homônima que já participa do Afro Fashion Day há 3 anos. “A pisada na passarela é muito importante. A confiança é primordial”, endossa Vander Charles, da marca Black Atitude, que também estava na bancada julgadora.

Foram 163 jovens negros, com idade entre 13 e 24 anos, inscritos na etapa. A 5ª edição do Afro Fashion Day tem como tema a grandeza dos blocos afro – Cortejo Afro, Filhos de Gandhy, Malê Debalê, Ilê Aiyê, Muzenza e Olodum. Por conta disso, o evento está homenageando cada seletiva de modelos não agenciados com o nome de uma entidade.

Bancada de jurados foi formada por estilistas baianos (Foto: Florian Boccia / CORREIO)

Com nas edições anteriores – a do Olodum na sede do Pelourinho, a dos Filhos de Gandhy no Mercado Iaô (Ribeira) e a Malê Debalê (Itapuã), a recepção do Ilê Aiyê foi calorosa. O bloco abriu sua casa, decorou o espaço e elegeu Dete Lima, diretora e estilista da entidade, para compor o júri. Ela, que já teve suas roupas vestidas por nomes da moda como Naomi Campbell, se orgulha de participar de iniciativas como estas: “Participar do Afro Fashion Day é muito importante. É dar oportunidade a modelos negros de avançar e conquistar novos espaços. E trabalhos como o Afro vem empoderando e deixando o nosso povo com orgulho”, ressalta.

Esta não é a primeira vez que o Ilê Aiyê abre suas portas para as seletivas de bairro do Afro Fashion Day. Nas edições dos anos anteriores, a sede do bloco foi local de abertura das seleções de modelos não agenciados. “Este ano o Ilê não abriu as seletivas, mas acho que vai uma das mais concorridas pela quantidade de pessoas que eu já vi chegar aqui”, comenta Fagner Bispo, curador do evento.

Agora só restam as seleções do Muzenza, no dia 20, no Centro Cultural Plataforma, e a do dia 26, no espaço do bloco no Conjunto Pirajá. Os candidatos que passarem pelas seis seletivas de 2019 concorrem a vagas na passarela do Afro Fashion Day. O resultado deve sair no início de outubro, após a última etapa da primeira fase.

Fonte: Correio