Desenvolvimento sustentável é um termo sempre presente em discussões ambientais. O que ele sugere é que o sucesso da preservação do meio ambiente está relacionado a um incremento econômico e social das regiões no entorno das áreas naturais. Um desafio nas ações de recuperação da bacia do rio Doce é possibilitar que as comunidades desenvolvam suas atividades econômicas que gerem uma menor dependência de outras áreas produtivas de maior impacto, como a agropecuária tradicional e a mineração. Uma parceria entre a BrazilFoundation e a Fundação Renova, entidade responsável pela reparação e compensação dos danos do desastre de Mariana, instituiu um fundo de financiamento de R$ 1,2 milhão para justamente apoiar as iniciativas produtivas das cidades atingidas.

O projeto seleciona cooperativas, associações e micro e pequenas empresas que já desenvolvem suas atividades em municípios do Leste de Minas e do Espírito Santo. Eles recebem recursos e assessoria técnica para potencializar os seus negócios. A primeira seleção foi realizada no início deste ano e escolheu 13 projetos que receberão no total R$ 739 mil. Esses recursos são disponibilizados de acordo com a execução do cronograma da proposta aprovada por cada uma das atividades selecionadas. A expectativa é que essa atuação dure oito meses.

Agora está sendo realizada a seleção da segunda etapa do projeto. As inscrições terminaram em agosto e serão escolhidas dez iniciativas que receberão R$ 45 mil cada para desenvolver suas atividades. O resultado será divulgado no dia 30 de setembro. Entre os critérios analisados, estão a adequação do investimento à capacidade operacional do negócio proposto e a média orçamentária do negócio dos dois últimos anos.

A vice-presidente e diretora de Relações Institucionais da BrazilFoundation, Mônica de Roure, explica que, nesse momento, informações estão sendo coletadas em campo. “A primeira fase do processo de seleção é o recebimento das propostas e análise. Depois vamos a campo, conhecer as iniciativas e conferir que tudo que está na inscrição bate com a realidade. Em seguida, fazemos um painel com especialistas da BrazilFoundation, levando em conta os dados que eles trouxeram da visita. Por fim, realizamos um painel com representantes da Fundação Renova para finalizar a escolha”, explica.

Ela destaca que já havia um diagnóstico da potencialidade de atividades de geração de renda para uma população de vulnerabilidade social na região contemplada pelo projeto. “Já havíamos enxergado que nessas cidades havia o desempenho de atividades que tinham um grande potencial de crescimento se fossem apoiadas. Foi a partir dessa visão que surgiu a ideia de criar esse suporte financeiro e de capacitação”, analisa Mônica de Roure.

Oficina de capacitação de mulheres da comunidade de Resplendor (MG).
Foto: Roberto Ruggeri/Divulgação Fundação Renova

Em Governador Valadares, a Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis Natureza Viva (Ascanavi) foi uma das contempladas, no edital anterior, para ampliar a coleta seletiva no município. Na proposta aprovada está prevista a aquisição de materiais para divulgação da coleta seletiva e equipamentos para dar segurança no armazenamento do vidro, além de iniciativas para aumentar o volume de venda do papel triturado. O projeto foi nomeado de “Promoção Social na Gestão de Resíduos em Governador Valadares”. “Ficamos muito felizes por termos o nosso projeto selecionado. Já recebemos metade do valor e conseguimos pagar os serviços da agência de publicidade e administrativo, fizemos a compra de uma fragmentadora de papel semi-industrial e camisas personalizadas para o trabalho de mobilização. Com a fragmentadora de papel, Valadares passa a ter um local adequado e seguro para descarte de documentos confidenciais. Assim que recebermos o restante, vamos investir na compra de outros produtos e equipamentos, como uma caçamba para que possamos armazenar o vidro com mais segurança”, conta Raquel Rodrigues da Silva, coordenadora geral da associação.

Já em Baixo Guandu, no Espírito Santo, a microempresária Márcia Frederico Percílios vê com esperanças a possibilidade de dar um salto na produção da sua empresa, a Doces Artesanais Ilha da Fantasia. “A gente foi selecionado e participou de cursos de capacitação e monitoria, o que nos ajudou muito. Também já recebemos a primeira parte do recurso, que nos possibilitou comprar uma boa parte do maquinário. Agora estamos no processo de obtenção do selo de expedição, que nos possibilitará expandir nossa cadeia de distribuição, podendo entregar em supermercados e até fora do estado”, avalia. O projeto de apoio à Márcia foi batizado de “Produzindo Doces e Adoçando Vidas”.


Projeto “Mariana com Fios” está em fase de definição de uma estratégia de comercialização de produtos e novos mercados.
Foto: Roberto Ruggeri/Divulgação Fundação Renova

Mais do que financiamento, os empreendedores escolhidos recebem uma capacitação para que consigam gerenciar suas empresas de forma mais eficiente, assim que terminar o cronograma de execução do projeto. Por isso, há o trabalho de desenvolvimento de habilidades de gestão financeira, comunicação, marketing, precificação dos produtos e acesso ao mercado. O objetivo é fazer que, a partir das atividades selecionadas, a economia local seja incrementada com um aumento de renda, de geração de empregos que possam ser um potencializador de outras atividades econômicas na região. “O que buscamos fazer é emancipar essas pessoas para que elas consigam desenvolver sua própria maneira de gerar renda. E isso vai se multiplicando com essas pessoas envolvendo familiares e demais membros da comunidade no desenvolvimento de uma atividade produtiva”, explica Mônica de Roure, da BrazilFoundation.

Ela destaca,ainda, a importância de criar sustentabilidade para o que está sendo desenvolvido nos projetos. “Nós entramos com essa verba inicial para impulsionar as atividades, mas o mais importante é capacitar esses empreendedores para que eles sejam capazes de profissionalizar a gestão de seus negócios. Compreendendo a formação do mercado, como determinar preço em um produto, a importância do marketing e da comunicação para o sucesso das iniciativas. Com esse conhecimento, eles estão prontos para alavancar seus negócios ainda mais ao término do projeto. Estarão preparados, inclusive, para buscar outras fontes de financiamentos para novas expansões nas demais instituições de fomento”, conclui.

Leia o especial Capítulos do Rio Doce completo clicando aqui

Fonte: Agencia Brasil