Não demorou. A revanche para as dezenas de quilos de milho derramados em frente à Fonte Nova antes do jogo do Vitória, neste sábado (14), veio também em forma de provocação, bom humor e um punhado de solidariedade. 

O Comando Feminino da Torcida Uniformizada Os Imbatíveis (TUI), principal organizada do Vitória, iniciou uma campanha para arrecadação de latas de sardinhas, também em provocação aos torcedores rivais. O motivo tem, porém, uma boa causa: os alimentados serão doados para instituições de caridade, escolas e asilos.

(Foto: Divulgação/Instagram)

As doações deverão ser entregues nos seguintes pontos: no Dique do Tororó, no Posto BR em frente ao restaurante A Porteira, e na Ladeira da Fonte, em frente ao supermercado Bompreço.

As sardinhas têm como referência a entrevista do técnico Joel Santana, que se referiu ao Bahia como uma sardinha, ao tentar explicar porque não assumiria o clube em 2011. “Estou esperando peixe grande, sardinha não!”, disse durante entrevista no programa ‘Bem, Amigos!’, do SporTV..

Já o milho jogado nas entradas Super Norte e Norte 1, na Ladeira da Fonte, faz referência ao filme A Fuga das Galinhas. Desde o ano passado, a torcida tricolor usa o filme para fazer piada com o Vitória, após o rubro-negro ter forçado o término do primeiro Ba-Vi de 2018 antes dos 90 minutos. 

A partida deste sábado é primeira desde que o time rubro-negro anunciou, na segunda-feira (9), que mandaria seus jogos para a Fonte Nova até 2022. Ao CORREIO, a assessoria da Arena Fonte Nova informou que o milho já está sendo retirado e o processo deve ser concluído antes do fim da manhã. 

Ajudando a recolher o cereal no entorno da arena, o gari Raimundo Silva de Jesus afirmou que nunca tinha visto tanto milho junto desde que veio de Ipirá, no interior da Bahia. Ele, que torce para o Bahia, disse que a gozação entre torcedores é saudável e que faz parte do futebol.

Raimundo diz que nunca viu tanto milho (Foto:Eduardo Dias/CORREIO)

“Isso é bom para os torcedores, é divertido. O que não pode é ter violência, um matar o outro. Precisamos de paz no futebol”, afirmou.

O embalador de supermercado Maciel de Jesus, 25 anos, aproveitou e catou cerca de 20 quilos de milho para levar para casa. O objetivo era alimentar sua criação de galinhas. 

Maciel vai alimentar as galinhas (Foto: Eduardo Dias/CORREIO)

“Agradeço aos torcedores do Bahia por fazerem isso, vou alimentar as 15 galinhas que tenho em casa”, contou. 

Entre os torcedores, a notícia se espalhou logo cedo. O analista de informática Renato Dourado, 35, foi comprar o ingresso do jogo do Vitória junto com o pai, o aposentado Eunildo Dourado, 72,  já sabendo do ocorrido com o milho jogado nas entradas da Fonte Nova, quando viu pelas redes sociais. 

Sete motivos para botar fé em uma boa estreia do Vitória na Fonte

“É uma gozação normal, da mesma forma que chamamos eles de sardinhas e jahias. A partir do momento que parte para agressão, não é coisa de torcedor, é vandalismo e mau caratismo. Eu prefiro os jogos na Fonte Nova, pois venho andando, é mais perto, mas gostava mesmo é do Barradão, que é o nosso estádio, a nossa casa”, afirmou, ao dizer que o Leão da Barra vence o jogo de hoje pelo placar de 3×1. 

Renato e o pai, Eunildo, já chegaram ao estádio sabendo do milho (Foto: Eduardo Dias/CORREIO)

Para ele, os jogadores não se importam com as provocações. De tão focados na partida, acredita que devem deixar a rivalidade para a torcida. 

“Acho que não deveria ter um revide contra a loja do Bahia, isso não é cidadania. Tomara que os torcedores que se dizem organizados não queiram fazer nada em troca. Vamos levar na esportiva e bola para frente. Somos torcedores, vamos torcer, vibrar e apoiar o nosso time para voltar à Série A”, completou.

Com opinião contrária ao colega rubro-negro, o aposentado Carlos Tomaz do Carmo, 68, não gostou muito da brincadeira dos torcedores rivais. Para ele, esse tipo de coisa pode gerar algo pior, como brigas. 

(Foto: Eduardo Dias/CORREIO)

“Isso é coisa de vândalo mesmo, de certa forma, porque estão atingindo um patrimônio público. Acho que isso é uma falta de respeito. As pessoas têm que entender que o futebol é jogado em campo. Fora dele deve haver amizade. Por conta dessas coisas, os Ba-Vis são realizados com torcida única. Isso pode gerar algo muito ruim futuramente. Um torcedor exaltado pode tentar revidar e atingir o patrimônio deles, que é a loja no Dique”, disse.

Tricolores
Torcedor do Bahia, o agente de portaria Mário Santos, 26, encarou a provocação dos tricolores como uma gozação sadia e que não deve ser levada tão a sério. “É uma gozação sadia, mas se me chamasse para fazer isso, eu não faria. Porque acho que eles podem fazer algo com a nossa loja. É aquela coisa, futebol tem que ser assim mesmo, senão fica muito chato”, afirmou.

O também tricolor e comerciente, Pedro Moura, 68, que levou o neto Rafael Musser, de 5, à Loja do Bahia na Fonte Nova, afirmou que a atitude dos torcedores deveria ter sido evitada. 

“Eu acho que coisas assim deveriam ser evitadas. Eles gastaram dinheiro à toa. É uma provocação que existe e é saúdavel, mas não se pode saber até onde pode ir”, afirmou

Pedro e Rafael visitaram a Loja do Bahia na Fonte Nova. (Foto: Eduardo Dias/CORREIO)

Fonte: Correio