O ex-ministro Geddel Vieira Lima está aproveitando o tempo na prisão para ter novos aprendizados. Preso preventivamente há dois anos, ele ainda não tem perspectiva de saída e aproveitou para estudar, o que também ajudará a abater o tempo de uma eventual pena – ele ainda não foi julgado. 

Segundo a coluna Radar, de Veja, Geddel tem feito vários cursos a distância de dentro da Papuda. O mais recente foi o de eletricista, que poderá ajudar a remir até 15 dias do tempo que terá cumprir na prisão se for condenado. Na prova final desse novo conhecimento, Geddel tirou 9,5. 

No mês passado, o político baiano teve um pedido de revogação da prisão preventiva negada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin. A defesa apontou a existência de fato novo a justificar a reanálise dos motivos da prisão, o que foi afastado pelo relator do processo.

Denúncia
Em maio de 2018, a Segunda Turma do Supremo recebeu denúncia contra Geddel e seu irmão, Lúcio Quadros Vieira Lima, pela prática dos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa, e manteve a prisão preventiva de Geddel. 

A defesa aponta como fato novo a sentença da 10ª Vara Federal da Subseção Judiciária do Distrito Federal que absolveu Geddel da acusação de embaraço em investigação que envolva organização criminosa, crime previsto no parágrafo 1º, artigo 2º, da Lei 12.850/2013. A Procuradoria-Geral da República teria apontado essa suposta infração como indicativo de reiteração delitiva a justificar a prisão de Geddel.

Os advogados do político baiano afirmaram que Geddel encontra-se em situação de vulnerabilidade no sistema penitenciário, por estar encarcerado em pavilhão de segurança máxima, mais um motivo a demonstrar a necessidade de revogação de sua prisão, a aplicação de medidas cautelares ou sua transferência para a prisão domiciliar.

Ao refutar os argumentos da defesa, o ministro Fachin citou os motivos que fundamentaram a manutenção da prisão de Geddel em maio de 2018, como a insuficiência de medidas cautelares diversas da prisão anteriormente impostas para a neutralização de práticas delitivas e a gravidade concreta das condutas imputadas na Ação Penal 1030, fruto do recebimento da denúncia, e os indicativos de propensão à reiteração delitiva revelados pelos fatos em apuração na Ação Penal (AP) 1030.

O ministro destacou que, em momento algum, a conduta atribuída a Geddel no processo em que foi absolvido na 10ª Vara Federal do Distrito Federal “foi utilizada como circunstância apta a caracterizar a reiteração delitiva que fundamenta a segregação cautelar nos autos da AP 1030, razão pela qual eventual prolação de sentença absolutória no aludido procedimento não se consubstancia em fato novo que, por si só, justifique a reanálise da constrição que lhe é imposta”. 

O ministro Fachin também afastou a possibilidade de concessão de prisão domiciliar ao investigado, afirmando que sua transferência para uma ala de segurança máxima do presídio em que está encarcerado, conforme determinado pela Juízo da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, “deu-se no contexto de fatos que influenciam na administração penitenciária” e não resultou “na mitigação de qualquer direito ou garantia previsto no ordenamento jurídico em favor” de Geddel”.

Malas
A Polícia Federal encontrou em Salvador em setembro de 2017 malas com R$ 51 milhões em um apartamento de Geddel na Graça. Desde este ano ele está preso na Papuda. Agora, concluindo a fase de revisão, acontecerá o julgamento de Geddel. O político esteve à frente da  Secretaria de Governo entre maio e novembro de 2016, no governo Michel Temer.

(Foto: Divulgação)

O dinheiro apreendido em Salvador tem origem ilícita, de acordo com a Procuradoria Geral da República (PGR). O valor veio de propinas da Odebrecht, repasses do operador Lúcio Funaro e outros desvios ligados ao MDB. Conforme a PF, parte do dinheiro seria resultante de um esquema de fraude na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal no período entre 2011 e 2013, quando Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica da instituição.

O advogado Gamil Foppel aponto que faltavam provas consistentes contra Geddel, por ocasião da abertura da ação penal. A defesa criticou, entre outros, o fato do dinheiro ter sido achado após uma denúncia anônima, além de os policiais que foram ao apartamento pela primeira vez não estarem identificados.

Fonte: Correio