O professor Jacques Antonio de Miranda foi nomeado o novo reitor da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB) para o mandato de quatro anos, de 2019 a 2023. O decreto que designa o docente ao cargo foi publicado nesta quarta-feira (18), no Diário Oficial da União, e assinado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Jacques foi o primeiro colocado da lista tríplice, elaborada pelo Conselho Universitário, em reunião extraordinária ocorrida em 18 de junho de 2019, com 27 votos. Atualmente, ele era vice-reitor da instituição.

Jacques Antonio é doutor em Química (Foto: Divulgação)

Ele é bacharel, mestre e doutor em Química e integra o quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Química Pura e Aplicada (Posquipa) e do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (Profnit). Jaques está lotado no Centro das Ciências Exatas e das Tecnologias (CCET), no Campus Reitor Edgard Santos, em Barreiras.

As datas da cerimônia de posse do novo reitor, em Brasília, e da transmissão do cargo da reitora Pro Tempore, professora Iracema Veloso, para a futura gestão serão divulgadas nos próximos dias.

Problemas
Jaques vai assumir o comando da instituição em um momento tenso para a universidade. A reitoria informou, no mês passado, que precisou suspender programas de bolsas de monitoria e de estágio, e adotar outras medidas de corte de gastos por conta dos contingenciamentos feitos pelo Ministério da Educação (MEC).

A Ufob possui 4 mil estudantes, 249 funcionários técnicos-administrativos e 391 professores. Para este ano, o orçamento total seria de R$ 24.931.132, mas, até agosto, o recebido foi R$ 13.947.448,34, segundo informou a reitoria.

A universidade informou que “sofreu um bloqueio de R$ 7.372.857, que impacta diretamente nas atividades de ensino, pesquisa e extensão” e “compromete o pagamento de água, luz, contratos de empresas terceirizadas, responsáveis por limpeza, vigilância, manutenção, dentre outras despesas de serviços essenciais ao funcionamento do dia a dia da Instituição”.

A UFOB diz que desde 2018 adotou uma série de medidas para reduzir as despesas discricionárias, dentre elas a revisão de todos os contratos administrativos, como com empresas terceirizadas, responsáveis por limpeza, vigilância e manutenção.

Fonte: Correio