Chegou o grande dia. Após meses de espera, começa neste sábado (28) a Gincanex, que se encerrará domingo (29). Entretanto, este início é apenas oficial – já que para a maioria das equipes a largada foi dada há semanas. Afinal, os quatro times, cada um com 50 ex-alunos, já realizaram encontros para se conhecerem e começaram a trabalhar nas fantasias das três únicas tarefas divulgadas até agora: CaçaEx, EsquadrEX e MobilEX, cujo tema são, respectivamente, Ícones da Terceira Idade, Village People e Bananas de Pijamas (veja mais abaixo).

Esse silêncio com relação aos outros desafios não faz parte de uma tentativa de fazer mistério por parte da Gang Entretenimento, grupo que organiza o evento que faz parte das comemorações pelos 40 anos do CORREIO. Mas acontece porque todos os participantes da divertida competição são adultos – que em sua maioria estudam e trabalham – e isso impossibilita a realização da tradicional pré-gincana.

Apesar disso, o coordenador da Gincanex, Márcio Gomez, ressalta que é muito importante as equipes já irem se conhecendo.

“As pessoas das equipes não se conhecem em sua maioria. Por conta disso, é importante ter esses encontros para cada um conhecer as aptidões dos colegas e também saberem em qual dos três nichos irão se encaixar (Esquadrex, Caçaex e Mobilex). Tem a galera mais atlética, a mais criativa que cuida dos figurinos… Não dá para eles se encaixarem no dia: já precisam chegar na gincana com tudo definido”, explica.

O CORREIO conversou com cada uma das quatro equipes e todas mostraram que estão seguindo à risca o conselho de Márcio e garantem que, quando chegarem à Unijorge da Paralela, local onde acontecem as tarefas, já estarão com tudo nos trinques. 

  • Equipe Senta pra descansar – Cor Vermelha

Ao contrário do que o nome sugere, preguiça e apatia passam longe desta equipe. A estudante Natália Borges, uma das líderes da equipe vermelha, garante que a expectativa está lá no alto e afirma que o time ‘Senta pra descansar’ está pronto para papar a Gincanex. Para ela, o fato de a equipe não se conhecer muito não é um obstáculo, muito pelo contrário: é a graça do evento. 

“Isso é ótimo porque a gente consegue ganhar conhecimento, conhece pessoas novas. É uma experiência muito boa e diferente do que estamos acostumados com gincana de colégio. E, mesmo com horários diferentes, conseguimos nos organizar através do WhatsApp e alguns encontros esporádicos. Essa é uma experiência extremamente positiva pra quem ama gincanas, como eu”, conta Natália.

Equipe Senta pra descansar
(Foto: Betto Jr./Arquivo CORREIO)
  • Equipe Não Precisa Nem Dizer, né? Todo Mundo já sabe – Cor Amarela 

Sim, este é o nome da equipe e agora nem precisa dizer né? Você já sabe. A aposta dos membros do time amarelo, de nome dúbio, é a experiência que eles adquiriram nas gincanas de colégio. O estudante Ricardo Santana, 26, conta que, além de estar preparado para o que vier, o ponto forte de seu time é a união.

“Nossa preparação está sendo conseguir organizar tudo direito para já chegar lá com as ferramentas em mão. Estamos tentando prever o que a comissão possa pedir para já chegarmos lá com tudo – seja uma tinta ou bola de futebol. A gincana é algo que mexe com a nossa paixão e estamos todos muito ansiosos”, revela.

Equipe Precisa nem dizer, né? Todo mundo já sabe
(Foto: Betto Jr./Arquivo CORREIO)

Equipe Campeã – Cor Verde
Audaciosa, a equipe verde da Gincanex deu uma de Mãe Dinah e já se autonomeou como portadora da glória máxima. A certeza de que irão papar o título parte da animação e motivação, como garante a estudante Thaís Ferraz, 19, que está com sangue no olho e está disposta a tudo para tornar a Campeã campeã.

“Gincanex é outro nível. É uma galera mais velha e livre para realizar as tarefas. Além disso, todo mundo estuda ou trabalha, então fica um clima de que essa talvez seja a nossa última oportunidade de participar de uma gincana e a gente quer se despedir em grande estilo, levando o troféu pra casa”, conta a estudante.

Equipe ‘Campeã’
(Foto: Betto Jr./Arquivo CORREIO)
  • Equipe Equipe – Cor azul

Não se sabe se a origem deste nome se deu por metalinguagem, metonímia, paradoxo ou por falta de criatividade mesmo. O que se pode afirmar, com toda certeza, é que a equipe Equipe, de cor azul, pretende ser a vencedora. Sem equiparar-se aos outros times, a líder da Equipe, a empresária Ticiana Amorim, 29, afirma que já está ‘toda equipada’ para ganhar.

“Uma das maiores dificuldades da Gincanex é a gente não se conhecer. Por isso nos reunimos, cada um apresentou as estratégias que usavam em seus colégios, para montarmos uma para a gente. Além disso, já dividimos o que cada um irá fazer e levar para os dias da gincana. Agora todos já sabem as aptidões e talentos de cada um e estamos prontos para ganhar”, conta a empresária.

Equipe ‘Equipe’
(Foto: Betto Jr./Arquivo CORREIO)

Coletividade
Diversas atividades foram feitas para celebrar os 40 anos do jornal CORREIO e cada uma delas teve um significado. No caso da Gincanex, a intenção foi homenagear a coletividade e o espírito de equipe que as gincanas promovem, além de estimular nos jovens o pensamento sustentável, tecnológico e socialmente responsável. De acordo com a coordenadora de projetos do Estúdio Correio, Vanessa Araújo, esse evento atende ao público jovem e atiça uma memória afetiva neles.

“Nós fechamos com a Gang, que tem o know-how para estas atividades e já realiza gincanas em diversos colégios particulares de Salvador, para criar esta gincana justamente para esse público que deixa a escola e sente saudade destas atividades. E, apesar de ser um evento fechado para um pequeno número de jovens, através deles nós buscamos atingir todo este público”, explica.

O projeto Correio 40 Anos tem oferecimento do Bradesco, patrocínio do Hapvida e Sotero Ambiental, apoio institucional da Prefeitura de Salvador, e apoio de Vinci Airports, Senai, Salvador Shopping, Unijorge, Claro, Itaipava Arena Fonte Nova, Sebrae e Santa Casa da Bahia.

CaçaEx, EsquadrEX e MobilEX: veja temas das tarefas já divulgadas
Os fãs do clássico caça ao tesouro terão como tema norteador Ícones da Terceira Idade na tarefa CaçaEX e vão poder brincar com o fato de, mesmo estando na casa dos 20 ou até 30 anos, continuarem sendo gincanistas de carteirinha após sair da escola. “A gente resolveu colocar esse tema não só por tanto se ouvir que depois que saímos do colégio estamos “velhos demais para fazer gincana”, mas também porque a Caça é o nicho que mais tem ex-alunos mais velhos em idade mesmo. Ainda que tenha conquistado muitos ex-alunos mais novos, os mais antigos demoram um pouquinho de passar a bola. Resolvemos brincar com isso”, explica Romero Ribeiro, coordenador da Gang Entretenimento. Quem participar dessa atividade terá que resolver enigmas e circular bastante pela cidade.

Já os gincanistas que participarem da tradicional tarefa EsquadrEX estarão vestidos como personagens da banda Village People e vão sair pela cidade para tirar fotos e fazer videos em locais determinados ou com personalidades. “Na gincanex, uma dos nossos principais objetivos é fugir do óbvio e do esperado, Village People representa muito disso. É um tema retrô, musical e irreverente, tudo que queremos ver nos esquadrantes. Por se tratar de uma banda que marcou o público LGBTQ+ queremos ver todos os participantes quebrando paradigmas e curtindo o esquadrão sem moderação”, completa Romero.

(Foto: Divulgação)

No clima do da onda do ‘zap’, a tarefa Mobilize-se (que, na GincanEX, ganha o apelido carinhoso de MobilEX) terá como tema Bananas de Pijamas. “Fez parte das infâncias e mora nos corações de todos aqueles que curtiam desenhos animados na década de 1990. Como o desenho é relativamente antigo, a Gang optou por utilizá-lo como tema em uma gincana composta obrigatoriamente por ex-alunos, que, com certeza, conhecem (e amam) os irmãos gêmeos B1 e B2 e os seus amigos. A proposta da tarefa é resgatar músicas, usar o nome do tema para fazer trocadilhos (já imaginou quantas coisas existem com “bananas” ou “pijamas”?) e outras dinâmicas temáticas, que façam com que os gincanistas viajem no tempo, de volta ao ‘Bananas, de Pijamas, descendo as escadas…'”, lembra Romero.

(Foto: Divulgação)

Ele ressalta que a tarefa busca juntar as noções mais básicas de gincana com uma coisa que tem invadido cada vez mais o nosso dia-a-dia: a tecnologia: “Todas as missões do MobilEX são enviadas por aplicativos de celular (WhatsApp, Instagram, Facebook ou Twitter) e respondidas de igual forma. Fotos, vídeos, notas de áudio, ligações online ou compartilhamento de localização – tudo para tornar a troca de informações ainda mais rápida. E a diversão, claro, é garantida”.

*Com orientação do chefe de reportagem Jorge Gauthier

Fonte: Correio