Até 2023, a Bahia necessitará de profissionais qualificados de diversas áreas para atuar no setor industrial, sobretudo em metalmecânica e energia e telecomunicações. De acordo com o Mapa do Trabalho Industrial do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que será divulgado nessa segunda-feira (29), o estado terá que qualificar cerca de 390 mil trabalhadores nos níveis superior, técnico e aperfeiçoamento.

A demanda prevista pelo estudo inclui, em sua maioria, a formação continuada de trabalhadores já empregados e, em parcela menor (26%), de pessoas em formação inicial, que precisam de capacitação para ingressar no mercado de trabalho. Neste último grupo, estão pessoas que vão ocupar tanto novas vagas quanto postos já existentes e que se tornarão disponíveis devido à aposentadoria, entre outras razões.

“O profissional qualificado de acordo com a necessidade do mundo de trabalho tem mais chances de manter o emprego e também pode conseguir uma nova oportunidade mais facilmente quando as vagas forem oferecidas”, afirma o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi.

Essas ocupações têm em sua formação conhecimentos de base industrial e, por isso, são oferecidas pelo Senai, mas esses profissionais podem trabalhar tanto na indústria quanto em outros setores. Os cursos de formação de técnicos, por exemplo, têm carga horária entre 800h e 1.200h (1 ano e 6 meses) e são destinados a alunos matriculados ou egressos do ensino médio. Ao término, o estudante recebe um diploma.

As quatro ocupações com maior demanda por formação técnica dentro e fora da indústria são técnico em eletrônica (4.760), técnico de controle da produção (4.752), técnico em eletricidade e eletrotécnica (4.724) e montador de veículos automotores (3.913). 

Já as áreas que mais vão exigir capacitação de jovens trabalhadores e profissionais em formação continuada são construção (56.9841), logística e transporte (47.744), transversais (30.193), couro e calçados (26.427), metalmecânica (20.094), alimentos (16.816), energia e telecomunicações (9.147), eletroeletrônica (5.656) e confecção e vestuário (5.404). Profissões transversais são aquelas que permitem ao profissional exercer funções em quase todas as áreas e setores econômicos. 

Segundo o Mapa, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados estão ajudantes de obras civis (26.870), motoristas de veículos de carga (25.254), alimentadores de linhas de produção (24.381), padeiros/confeiteiros (6.106), mecânicos de manutenção de máquinas industriais (5.949), entre outros postos.

Em relação ao nível superior, as áreas de informática (6.825), gestão (6.020) e construção (3.825) serão as que mais vão precisar qualificar profissionais no período de 2019 a 2023. Entre as ocupações que mais demandarão formação estão analistas de tecnologia da informação (5.943), engenheiros civis (1.963) e gerentes de produção (1.761).

Áreas com maior demanda por formação – Técnicos

Área

Demanda 2019-2023

Transversais

13.818

Metalmecânica

9.288

Energia e telecomunicações

7.938

Eletroeletrônica

6.238

Construção

5.860

Áreas com maior demanda por formação – Qualificação inicial

Área

Demanda 2019-2023

Metalmecânica

20.094

Alimentos

16.816

Energia e telecomunicações

9.147

Eletroeletrônica

5.656

Confecção e vestuário

5.404

Áreas com maior demanda por formação – Superior

Área

Demanda 2019-2023

Informática

6.825

Gestão

6.020

Construção

3.825

Metalmecânica

2.216

Produção

1.326

Fonte: Correio