Começou a batalha entre dois dos times como futebol melhor jogado no Brasil por uma vaga na final da Copa Libertadores da América. Nesta quarta-feira (2), Grêmio e Flamengo entraram no campo da Arena que pertence ao time gaúcho para inaugurar um confronto de escolas e ideologias de futebol. O primeiro embate não foi lá muito vistoso, mas teve suas emoções. No fim, o empate em 1×1 deixou as coisas para se resolverem no Rio de Janeiro

Treinado pelo português Jorge Jesus, foi o Fla quem tomou as rédeas do jogo. Além das ameaças com Arrascaeta e Bruno Henrique, o rubro-negro marcou dois gols – ambos anulados pelo VAR. Primeiro com Everton Ribeiro, mas Gabriel cometeu falta em Kannemann na origem do lance. Depois com o próprio Gabigol, contando com frango de Paulo Victor. Só que o artilheiro do Brasil estava em posição de impedimento.

O Grêmio de Renato Gaúcho não é uma equipe de se acovardar, mas faltou bola. Não por culpa do tricolor gaúcho, mas muito devido à qualidade que o Flamengo impôs no jogo. A primeira etapa da peleja foi toda tingida em vermelho e preto.

 Agora valeu
O Grêmio voltou melhor do vestiário. Subiu a linha de marcação e, se não oferecia perigo ao gol de Diego Alves, pelo menos expôs menos Paulo Victor ao perigo, que flertou com o fracasso em alguns lances.

Os donos da casa incendiaram a torcida com boas chances de Cebolinha e Matheus Henrique. Foi nesse momento que o Flamengo conseguiu marcar – desta vez pra valer. Aos 23, Arrascaeta cruzou e Bruno Henrique subiu nas costas de Galhardo para fazer o gol, que vale ouro para o Flamengo, já que a Libertadores tem o critério do gol fora.

Mas o Grêmio não é imortal a toa: quando o jogo parecia resolvido, um contra-ataque fatal parou nos pés de Pepê, que só empurrou para o fundo do gol após o cruzamento de Cebolinha. Um gol que deixou tudo aberto e o jogo decisivo será no próximo dia 23. O 0x0 favorece o Flamengo, 1×1 leva para os pênaltis e qualquer outro empate dá a vaga ao Grêmio.

*com supervisão do subeditor Miro Palma

Fonte: Correio