O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), afirmou pelo Twitter que vai apurar “com rigor” a denúncia de que um grupo de policiais militares invadiu o Hospital Getúlio Vargas, na Penha (zona norte do Rio), um dia após a morte da estudante Ághata Félix, para exigir dos funcionários a entrega da bala que matou a menina, no Complexo do Alemão (zona norte do Rio).

A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 3, pelo site da revista Veja, e até 17h20 nem a Polícia Civil nem a Militar haviam se pronunciado sobre a denúncia. Conforme a revista, os médicos se recusaram a entregar a bala, e os policiais foram embora. Só um fragmento da bala foi encontrado pelos médicos, e encaminhada à Polícia Civil, que concluiu não ser possível compará-la com as armas dos policiais que estavam patrulhando a região no momento.

Witzel publicou em seu perfil no Twitter que “sobre a informação de que policiais militares teriam tentado pegar a bala que atingiu a menina Ágatha, minha posição é firme: tudo será apurado com rigor. Os fatos, se comprovados, são inadmissíveis. Os culpados serão punidos”.

Ághata, de 8 anos, foi morta por uma bala perdida quando estava em uma lotação, a caminho de casa, na Fazendinha (uma das favelas do complexo do Alemão), por volta das 21h do dia 20. Testemunhas alegam que o tiro foi disparado por algum dos policiais militares que patrulhavam a região. A PM diz que havia um tiroteio entre os agentes e criminosos. Uma moto passava pelo local no momento do disparo, e policiais alegam que o homem que ocupava a garupa atirou contra eles. Testemunhas negam que estivesse havendo tiroteio.

Fonte: Agencia Brasil