Enfrentar o Athletico-PR nos últimos anos tem sido parada dura para o Bahia. Na noite deste sábado (5), o tricolor voltou a tropeçar no rival paranaense. Perdeu por 2×1, na Fonte Nova, sofreu o seu primeiro revés no estádio neste Brasileirão e, de quebra, ainda perdeu a invecibilidade que durava mais de um ano no estádio pela Série A. 

Para piorar, o Esquadrão viu correr pelas mãos também a chance de se consolidar no G6 do Brasileirão e estacionou nos 37 pontos, na sétima colocação. O Bahia volta a entrar em campo na próxima quarta-feira (9), quando recebe o São Paulo, às 21h, na Fonte Nova. 

O jogo
Sem desfalques, Roger aproveitou para repetir a escalação dos últimos dois jogos. O que se viu em campo foi um primeiro tempo bastante pegado entre as duas equipes.

Tentando explorar as jogadas pelos lados, com a velocidade de Élber e Artur, o Bahia iniciou o duelo errando muitos passes e demorou um pouco para criar grandes chances. Tanto que o primeiro lance de perigo foi do time paranaense. O chute de Lucho González passou tirando tinta da trave de Douglas.

Quando conseguiu conectar as jogadas, o Esquadrão quase tirou o grito de gol da garganta do torcedor. Aos 24 minutos, Gilberto o aproveitou o cruzamento da esquerda e tentou achar o canto de Santos, mas o goleiro do Athletico fez boa defesa.

O camisa 9 voltou a assustar pelo alto. No cruzamento de Artur, Gilberto testou forte e a bola explodiu na trave. Santos já estava batido no lance e contou com a sorte para não sofrer o gol.

Um minuto depois foi a vez de Élber fazer grande jogada depois de tabelar com Moisés. O camisa 7 passou fácil por Thiago Heleno e, dentro da área, cruzou para Gilberto. O atacante pegou de primeira, mas a bola encobriu a trave de Santos.

Vacilo e reação tardia
O Bahia voltou para o segundo tempo com a mesma formação, mas foi o Athletico que partiu para o ataque. Apesar de não conseguir chegar com qualidade ofensiva e pouco assustar Douglas, o time paranaense ia controlando bem a partida. Enquanto isso, o tricolor esperava uma chance para puxar o contra-ataque.

A oportunidade veio aos dez minutos. Na descida rápida, Élber achou Gilberto na entrada da área. O camisa 9 soltou a bomba, mas bola caprichosamente explodiu na trave. Como o ditado diz, quem não faz, toma. O castigo tricolor veio logo depois. 

Aos 11 minutos, Léo Cittadini cobrou escanteio, Thonny Anderson desviou e Marcelo Cirino mandou para as redes. Douglas ainda tentou cortar, mas já era tarde: Athletico 1×0. 

Com o prejuízo, Roger sacou o meia Guerra, que não estava bem na partida, e colocou Lucca em campo. O Bahia parecia esboçar um princípio de reação, mas o dia não era tricolor. Na cobrança de falta do camisa 11, Santos deu o rebote, só que a conclusão de Nino parou na trave. A terceira do Esquadrão no jogo. Para piorar, o tricolor ainda teve de provar do próprio veneno. 

Na jogada em velocidade, Thonny Anderson cruzou para o meio da área e Léo Cittadini completou para as redes, marcando o segundo do Athletico-PR na Fonte Nova.   

Sem tempo para perder, Roger lançou mão do volante Flávio e colocou Fernandão em campo. A mudança deu certo. O cruzamento de Nino Paraíba achou o camisa 20 dentro da área. De cabeça, Fernandão descontou para o Bahia aos 31 minutos e incendiou a torcida tricolor. 

Com o tempo como inimigo, o Bahia tentou se lançar ainda mais ao ataque na busca pelo empate, mas esbarrava na forte marcação do Athletico. Sem conseguir chegar ao sonhado gol, restou ao tricolor apenas lamentar a derrota em casa. Apesar disso, o time saiu aplaudido de campo. 

Fonte: Correio