Beijos de policiais gays durante a formatura de novos soldados da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) no sábado (11) geraram uma onda de comentários homofóbicos. As fotos foram publicadas em redes sociais e os comentários foram feitos em grupos de colegas da corporação. A informação é do G1 DF.

Em áudio que circula nas redes sociais, um homem que se identifica como coronel da reserva da PMDF critica os beijos, afirmando que se trata de “avacalhação”.

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) pediu à PM que investigue os comentários. O Ministério Público do DF também afirmou que vai apurar se houve prática homofóbica.

A PMDF proibiu os envolvidos de dar entrevistas. A corporação diz que os áudios citados “manifestam uma opinião pessoal e serão analisados pela corporação”, que “não coaduna ou apregoa qualquer tipo de preconceito”.

Comentários
No áudio, o tenente-coronel diz que PMs gays “não se criam”, na corporação, mas que os beijos publicados em redes sociais já deixaram a PMDF “irreversivelmente maculada”.

“Eles não se criam. Mas a nossa corporação já foi irreversivelmente maculada. Nós hoje somos motivo de chacota no Brasil inteiro (…). Muito obrigado, senhores, os senhores conseguiram destruir a reputação da nossa Polícia Militar”, afirma.

Ele continua dizendo que não tem “nada a ver com a sexualidade dele”. “A porção terminal do intestino é deles e eles fazem o que quiserem. Uma coisa é o que se faz quando se está fardado (…). Aprendemos sempre que se deve preservar a honra e o pundonor policial militar. Então é isso que foi quebrado ali. Aquela avacalhação, aquela frescura ali poderia ter sido evitada. É lamentável”.

O tenente-coronel confirmou ter gravado a mensagem e não quis comentar o caso. O áudio foi compartilhado por outros PMs. “Vamos replicar esse áudio, o único que teve coragem de se pronunciar”, diz uma das mensagens.

Apoio
Apesar de comentários homofóbicos, os casais também receberam apoio on-line. “Linda foto, parabéns! Saibam que vocês não estão fazendo nada de errado”, dizia uma mensagem.

Depois da repercussão do caso, colegas reuniram fotos de casais heterossexuais se beijando fardados, para demonstrar que só gerou celeuma por se tratar de gays.

Leia a nota da PMDF

“A Polícia Militar do Distrito Federal informa que não coaduna ou apregoa quaisquer tipos de preconceito. Os áudios atribuídos a um coronel da Reserva Remunerada manifestam uma opinião pessoal, e serão analisados pela Corporação.

A PMDF informa ainda que a ética e o pundonor policial militar são preceitos basilares da Corporação, aos quais os policiais militares estão sujeitos, independentemente de cor, sexo, etnia, religião ou opção sexual.

O posicionamento oficial da PMDF órbita em torno do respeito às crenças, à ética e ao profissionalismo, pilares que todos os policiais militares devem observar no exercício de seus deveres.

A Polícia Militar do Distrito Federal reforça que não coaduna com quaisquer tipos de preconceito. As críticas divulgadas em redes sociais são opiniões pessoais e não condizem com o ponto de vista do comando da Corporação.

No entanto, com o objetivo de evitar maiores exposições e controvérsias, nenhum integrante da Corporação está autorizado a conceder entrevista sobre o assunto.”

Fonte: Correio