(Foto: Reprodução/Instagram)

Sobrevivente do incêndio que vitimou dez garotos da base do Flamengo, alojados em contêineres no Centro de Treinamento do Ninho do Urubu, em fevereiro de 2019, o meia Felipe Cardoso fez um longo desabafo em suas redes sociais após ser dispensado recentemente do clube por telefone. O garoto relembrou os colegas mortos e criticou a postura do clube carioca. “Após refletir muito, cheguei à conclusão de que somos apenas números para muitos”.

Ele foi firme com o Flamengo e sua diretoria.”Aprendi mais uma dura lição da vida em busca deste sonho (de ser jogador de futebol) ao ser liberado pelo Flamengo, no dia 13/01/2020 por telefone. Não entendi e chorei, gritei, culpei tudo e todos, não quis falar com ninguém por um período, a dor foi gigante em meu peito”, diz trecho do texto postado por Felipe Cardoso.

“Após refletir muito, cheguei à conclusão de que somos apenas números para muitos. Ninguém enxerga que somos jovens/adolescentes buscando uma vida melhor para nossas famílias, dia a dia longe de casa, cada um com seus problemas e dificuldades pensando se nossos irmãos têm o que comer, se nossas mães estão bem, se nossos pais continuam firmes e fortes no trabalho em busca do sustento da casa, se nossos amigos sentem nossa falta e se torcem por nós”, desabafou o jovem atleta.

Além de Felipe, de 16 anos, Wendel Alves, João Vitor Gasparin Torrezan, Naydjel Callebe e Caike Duarte Pereira da Silva também não tiveram seus vínculos renovados com o rubro-negro. O Vasco ofereceu aos garotos, entre 14 e 16 anos, um período de testes para que eles sejam avaliados e, possivelmente, contratados. Os garotos ainda não se manifestaram sobre o convite, mas devem aceitá-lo.

Briga na Justiça
Em dezembro de 2019, o Flamengo foi condenado a pagar pensão mensal no valor de R$ 10 mil a cada uma das famílias dos dez jovens mortos no incêndio de 2019, em Vargem Grande, zona oeste do Rio de Janeiro. A decisão, em caráter liminar, atende a um pedido da Defensoria Pública e do Ministério Público do Estado do Rio, em processo em curso na 1ª Vara Cível da Barra da Tijuca.

Além dos familiares dos jovens mortos – Arthur Vinícius, Bernardo Pisetta, Pablo Henrique, Vitor Isaías, Gedson Santos, Áthila Paixão, Christian Esmério, Rykelmo Viana, Jorge Eduardo dos Santos e Samuel Thomas -, o Flamengo teve de incluir na sua folha de pagamento outros três atletas feridos no acidente. 

Fonte: Correio