Aos 61 anos e com 24 álbuns lançados, Zeca Pagodinho, um dos maiores sambistas do país, está feliz da vida. O resultado da boa fase do cantor poderá ser visto pelo público soteropolitano neste domingo, na Concha Acústica do TCA, quando ele apresenta o álbum Mais Feliz pela primeira vez na cidade.

A última vez que passou pela Concha foi ao lado de Maria Bethânia, na turnê De Santo Amaro a Xerém. “Sempre fui muito bem recebido em Salvador, quando cheguei com Bethânia, então , nem se fala… Além de trabalhar, eu me divirto aí, tenho muitos amigos baianos, estar em Salvador é sempre uma festa”, diz o carioca  sobre um de seus destinos favoritos. 

Depois do show em Salvador, ele leva sua música a Portugal, onde faz show na cidade de Estoril. Apesar da agenda cheia, a intenção de Zeca Pagodinho é desacelerar para levar a vida ainda mais feliz. “Gosto muito de cantar meu samba, aqui e lá fora, mas quero diminuir um pouco ritmo.  Só trabalhar não dá . Quero curtir mais a vida, ficar com meus netos, beber minha cerveja e jogar conversa fora”, enfatiza.

Com direção musical de Paulão 7 Cordas, cenário de Zé Carratu e figurino de Juliana Maia, Zeca irá apresentar novos e belos sambas  selecionados com rigor para fazer parte deste repertório, dentre eles, O Sol Nascerá ( Cartola e Elton Medeiros), escolhida como tema de abertura da novela global Bom Sucesso, e que no disco conta com a participação da cantora Teresa Cristina.

Identificação
Zeca, aliás, está no rol dos sambistas sempre requisitados para integrar trilhas de telenovelas, o que, de certa forma, acaba por retroalimentar seu sucesso.  Ele não nega que acha uma “doideira” o fato de as pessoas lotarem seus shows e ainda comprarem seus discos. “Não sei dizer a que se deve isso não, acho só que as pessoas se identificam com meu samba”, palpita.

“Outro dia alguém me disse quantas músicas minhas já  entraram em novelas, agora não lembro  , mas são muitas. As novelas costumam dar uma boa repercussão pro trabalho. E esse ano, se não me engano, a maioria das aberturas era de samba e isso é bacana pra nós sambistas”, comenta.

Nada afeito às redes sociais e às novas tecnologias, ele não nega a vontade de voltar ao tempo do LP. Saudosismo à parte, é que naquela época era possível ler no encarte todas as informações daquele disco. “Sinto falta do disco na vitrola, do CD que tinham as letras das músicas, os nomes dos músicos, do produtor. Agora ninguém sabe de nada”, admite. E complementa: “Não entendo nada de internet, não tenho WhatsApp, email, nada dessas coisas. Sei da importância porque minha equipe me fala, a gravadora também“.

Mesmo diante de tantas mudanças, o cantor avalia que o seu processo criativo segue no mesmo fluxo. “Para mim não mudou não, faço o mesmo processo, junto os compositores em uma audição regada a bebida e a comida, em Xerém, eles apresentam as músicas , o Rildo Hora (produtor musical)  leva o gravador e escolhemos logo um repertório completo. Às vezes tem tanto samba bacana que acaba sobrando pra um próximo disco”, conta.

Amigos
Se a gravadora quisesse, Zeca teria sambas inéditos suficientes para lançar álbum todo ano, graças aos bambas leais que formam o seu grupo de compositores.

Um deles é o baiano Nelson Rufino, autor do grande sucesso Verdade (1999). Ele comparece em Mais Feliz com o bonito samba Permanência: “O amor não bate na porta do coração/Chega como um rei, dita como quer toda emoção/ Contrariando bem mais, brinca com a razão/ Vai, bem muito mais, ele vai além da imaginação”.

Arlindo Cruz é a ausência mais presente no álbum. Nestes quase 40 anos de carreira de Zeca, ele participou de todos os momentos importantes.  “Arlindo é meu cumpadre, meu irmão. Ele é ausência no disco e na minha vida também, mas tenho fé que ele vai se recuperar”, deseja Zeca.

 

Além das músicas inéditas, clássicos amados pelo  público, como Coração em Desalinho, Vai Vadiar e Deixa a Vida Me Levar, também integram o repertório.

Serviço: Concha Acústica do TCA (Campo Grande). Domingo, às 19h. Ingressos: R$ 120 | R$ 60 (pista); R$ 200 | R$ 100 (camarote). Vendas: bilheteria do TCA, SACs dos shoppings Barra e Bela Vista e site ingressorapido.com.

Fonte: Correio