Mortes com suspeita de Covid-19 já são metade de enterros em cemitérios de SP

Os enterros de corpos de pessoas que morreram sob suspeita de terem sido vítimas do novo coronavírus ou de casos confirmados já ultrapassam a metade dos sepultamentos em alguns cemitérios de São Paulo, segundo levantamento feito pela reportagem ao longo desta semana.

A reportagem obteve dados de 19 dos 22 cemitérios municipais, de dias diferentes desta semana. Nestes locais, havia desde unidades sem casos suspeitos nem enterros até outras onde eles já são maioria – em nove cemitérios onde houve enterros na tarde dessa quarta (15), 1 a cada 4 sepultamentos eram suspeitos.

Funcionários ouvidos pela reportagem dizem suspeitar que a prefeitura esteja direcionando esses casos para determinadas unidades, como a da Vila Formosa (zona leste). Questionada sobre os números gerais, a gestão Bruno Covas (PSDB) se recusou a informar enterros relativos a mortes suspeitas, afirmando que são dados internos.

Os enterros incluídos na categoria D3 são aqueles de pessoas com coronavírus ou suspeita da doença. Como há uma fila de cerca de 15 mil exames, muitos são enterrados antes que haja qualquer confirmação da doença.

Por isso, o número de mortes por coronavírus pode ser maior que as 778 contabilizadas no Estado até quarta-feira (15). Um indício disso pode ser visto nos cemitérios, que viram a demanda crescer muito desde o início da epidemia, devido a casos de mortes suspeitas.

Maior da cidade e dividido em duas unidades, o cemitério da Vila Formosa é o que concentra maior número de casos. Na segunda-feira (15), foram 25 casos suspeitos de coronavírus, de um total de 48 – o número diário quadruplicou em duas semanas. Na terça, o cemitério da Vila Nova Cachoeirinha (zona norte) registrou oito enterros de casos suspeitos, de um total de 23.

A reportagem obteve dados de 16 cemitérios nessa quarta (15). Nove deles somaram 50 enterros, sendo 12 desses funerais de casos suspeitos (24%). “Ficamos na torcida para não ter enterro e agora torcemos duas vezes para também não ser de coronavírus”, disse um funcionário de cemitério, com pavor da doença.

No cemitério São Luiz, extremo sul da capital, foram seis casos suspeitos de um total de 15 (40%) e, no da Lapa (zona oeste), foram metade dos quatro sepultamentos. Houve enterros código D3 no Araçá (2 de 6) e Dom Bosco (2 de 9).

Sete cemitérios não tiveram nenhum enterro nessa quarta. Outras cinco unidades tiveram enterros, mas nenhum caso suspeito, como Itaquera (6 sepultamentos), Penha (1), Quarta Parada (4), São Paulo (3) e Vila Mariana (2).

A reportagem não conseguiu dados relativos a nenhum dia desta semana de três cemitérios, além do Crematório da Vila Alpina.

Na garagem do serviço funerário da Vila Guilherme, de onde saem os carros para a maioria dos sepultamentos da capital paulista, houve 32 casos suspeitos, entre 112 enterros previstos para terça.

A gestão Bruno Covas não informou dados de enterros relativos a mortes suspeitas. “O código D3 é usado para a segurança dos funcionários que realizam os manejos dos corpos com suspeitas ou casos confirmados da Covid-19. A função é única e exclusivamente para fins internos no Serviço Funerário. Importante deixar claro que o código D3 não é parâmetro estratégico sobre os óbitos da Covid-19”, afirmou, em nota.

Segundo a gestão Covas, nos últimos 24 dias, houve em média 273 sepultamentos diários, sendo 187 em cemitérios públicos e 86 em privados. No início do mês, a gestão havia informado que a média diária de enterros na capital era de de 250 – se acurados, os números indicam um aumento de 10% nos funerais em relação a média.

O Sindsep (Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo) vem cobrando a divulgação dos dados, uma vez que o número é necessário para calcular se o estoque de material de segurança para os sepultadores é suficiente. Nas primeiras semanas, houve várias denúncias de falta de material para equipes terceirizadas.

Devido ao aumento da demanda para os cemitérios, a prefeitura também comprou, em caráter emergencial, um sistema de cemitério vertical para guardar restos mortais, com operações de abertura, sepultamento, fechamento e exumação, por parte do serviço funerário. A compra custou R$ 2,7 milhões.

Nessa quarta, a administração também adiou para o próximo mês o processo de privatização dos cemitérios municipais, uma bandeira da gestão. A abertura de envelopes para a licitação estava prevista para esta quinta-feira (16), e agora foi remarcada para o dia 15 de maio.

A privatização do serviço funerário é uma das bandeiras da atual gestão desde a época em que João Doria (PSDB), hoje governador. Um dos argumentos da administração é a melhora na eficiência do serviço, bastante criticado pela população, e também os diversos casos de irregularidades no órgão.

Por outro lado, funcionários afirmam que há um sucateamento proposital da estrutura para que o serviço funerário fosse vendido e cobram que o processo de privatização seja definitivamente interrompido.

Fonte: Agencia Brasil