“Wanderson disse que ia sair, e eu disse que não aceito”, explica Mandetta

O ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) afirmou, nesta quarta-feira (15), que, quando deixar o ministério, sairá junto com o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, e com o secretário executivo da pasta, João Gabbardo.

“Estamos aqui eu, Wanderson e Gabbardo. Entramos juntos, estamos juntos e sairemos do ministério juntos”, declarou o ministro em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto. “O Wanderson chegou lá do setor dele falando que ia sair etc. chegou lá para mim, e eu já falei que não aceito. Acabou esse assunto. Vamos trabalhar juntos até o momento de sairmos juntos do Ministério da Saúde”, disse Mandetta. 

O ministro passa por um processo de fritura e avisou aliados de que deve ser demitido no posto. Ele não disse na coletiva, no entanto, quando seu desligamento ocorrerá.

Wanderson chegou a pedir demissão nesta quarta, mas Mandetta não aceitou o pedido. Já Gabbardo era um dos nomes especulados como um possível “substituto-tampão” para a chefia do ministério.

Bolsonaro tem ignorado orientações sanitárias, sem demonstrar preocupação com a crise do coronavírus, e ao mesmo tempo pressiona governadores e prefeitos a abrandar a política de isolamento social. Já Mandetta é crítico da aglomeração de pessoas e defensor do isolamento horizontal, em consonância com a Organização Mundial da Saúde, para evitar o contágio do novo coronavírus.

Mandetta avisou sua equipe na noite desta terça-feira (14) que Bolsonaro já procura um nome para o seu lugar. O ministro conversou com integrantes da pasta em clima de despedida e avisou que combinou de esperar a escolha do substituto.

Fonte: Agencia Brasil