Vídeo: Ativista política recomenda beber água tônica para prevenir coronavírus

Um vídeo da ativista política Victoria Peixoto comprando água tônica para prevenir a Covid-19 viralizou nas redes sociais. Nas imagens, a também antropóloga e cientista política diz que a bebida tem “quinino”, que seria à base da cloroquina, medicamento experimental no combate ao coronavírus. 

“E isso aqui você pode comprar tanto em supermercado, como em conveniência na padaria da esquina”, disse ela, nas imagens, compartilhada por diversos usuários do Twitter.

 

Internautas logo comentaram a publicação. “Eu já estou esperando “políticas públicas” na linha da água tônica com quinino de Osmar Enterra. Nada mais me surpreende”, disse um usuário do Twitter.  “Aí tu pega a água tônica (quinino) e mistura com água sanitária (cloro) e você tem: Cloroquina!! Gênio!!! Beba sem moderação!!!”, postou uma outra usuária da rede social. 

Questionada sobre o assunto, Victoria disse que o vídeo “foi extremamente tirado que contexto”. “Sabemos que essa polêmica desnecessária está sendo propagada com o intuito de me calar. Sabem que sou contra oligarquias políticas, que venho denunciando a incompetência, os privilégios, a falta de ética e transparência em nossa cidade”, disse ela, em resposta sobre o assunto em sua página no Instagram. 

 

 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Oi gente, tudo bem? Acredito que você também já tenha visto meu “vídeo da água tônica” É por isso que eu tô aqui para explicar um fato que me deixou perplexa e que jamais imaginei que aconteceria: uma curiosidade que eu achei interessante compartilhar, acabou se transformando em um vídeo que ganhou projeção nacional. A ideia era mostrar que até mesmo a água tônica possui uma pequena quantidade de quinino. Nada além disso! Se você olhar o post original que eu fiz questão de deixar aqui na minha página, note que em nenhum momento eu me identifico como médica. No vídeo em nenhum momento eu falei do coronavírus. Em nenhum momento eu falei “medicamento, receita, tratamento” ou algo do tipo como a mídia tem falado. A mídia distorceu o vídeo completamente, propagando mentiras, desinformação e enganação. Infelizmente, desvirtuaram o conteúdo original e estão dizendo que estou receitando o refrigerante como tratamento. A que ponto chegamos??? *Lamento por isso e peço desculpas por qualquer pessoa que tenha se sentido desinformada ao ver o meu vídeo ou conteúdo fora do contexto original.* Ainda finalizei o vídeo dizendo: isso a globo não mostra! Expressão muito usada nas redes sociais por quem pretende chamar a atenção para uma ironia. Sabemos que toda essa polêmica desnecessária está sendo propagada com o intuito de me calar. Sabem que eu sou contra oligarquias políticas, que eu venho denunciando a incompetência, os privilégios, a falta de ética e transparência em nossa cidade. Minha imagem, honra e reputação foram severamente danificadas, *não previ que poderia ser prejudicada de tamanha forma, com esta simples postagem. Mas vale o aprendizado, estou entrando agora para a política, e buscarei tomar mais cuidado com essas brechas.* Para complementar, vou gravar outro vídeo mais longo, para pontuar tudo que foi questionado e aproveitarei para apresentar minha formação e meus projetos pessoais. O caminho é um só: acreditar na medicina, na ciência e tomar todos os cuidados possíveis para vencermos essa pandemia o quanto antes. Saibam que eu não vou me calar, Abraços, Victória Peixoto

Uma publicação compartilhada por Victoria Peixoto (@victoria.peixotoms) em 16 de Abr, 2020 às 12:52 PDT

Entenda

Estudiosos alertam que a “quinino”, presente na água tônica, não é a mesma molécula do hidroxicloroquina. O quinino da água tônica, segundo o próprio fabricante, é extraído da casca de uma planta denominada chichona ou quina, conhecida por suas qualidades medicinais, como auxiliar no processo digestivo. No passado, a quinina foi utilizada como medicamento para combater à malária, assim como a cloroquina. Até o momento, não há evidências laboratoriais ou clínicas de que o quinino ou qualquer outro composto da casca de cinchona exibam atividade contra a Covid-19.

Entidades como a  Associação Brasileira de Ciências (ABC) e a Associação Nacional de Medicina (ANM) condenaram até mesmo o uso indiscriminado da cloroquina (CQ) e da hidroxicloroquina (HCQ) no tratamento da Covid-19, sob a alegação de que ele “não está apoiado em achados científicos robustos”.

“Os resultados desses estudos preliminares são controversos. Alguns estudos sugerem boa eficácia em alguns parâmetros clínicos (nenhum deles indica a melhora de sobrevida), e outros sugerem inclusive risco à saúde dos pacientes com Covid-19 que usaram a medicação. Não há, portanto, qualquer evidência comprovada clinicamente do benefício do uso da CQ ou HCQ, e há relatos de efeitos colaterais potencialmente significativos”, afirma a nota conjunta enviada pelas entidades no início da semana.

Fonte: Agencia Brasil