Quem é MC Dumel, o ‘funkeiro baiano’ vítima do novo coronavírus

Terrível. Essa é a palavra que define Diego Albert Silveira Santos, o MC Dumel, morto nessa quinta-feira em decorrência da covid-19. O uso do adjetivo não significa uma ofensa. Terrível era a forma como o funkeiro de 28 anos se referia àquilo de que gostava. “Tudo que dava certo ele falava: Terrível!”, explicou o seu produtor Wagner Dórea.  

A palavra está até estampada no seu perfil do Instagram, que possui mais de 100 mil seguidores. Na sua última publicação, feita há quase um mês, no dia 20 de março, há dezenas de comentários lamentando a perda do artista, uma das 36 pessoas que morreram no estado após contrair o novo coronavírus.  

Nesse dia 20 de março, Dumel ainda estava no Rio de Janeiro em uma turnê que se iniciou após o carnaval. Lá ele foi infectado e começou a apresentar os sintomas da doença. Todos achavam que era uma gripe. Com a iminência da pandemia e o cancelamento dos shows, o artista antecipou a volta para a Bahia para o dia 30 de março.  

“Cinco dias depois, a febre não baixava. Levei ele, a esposa e o filho para o hospital. Não nos vimos mais depois disso”, lembra Dórea.

A esposa de Dumel, Andreza Bacellar, 22 anos, também foi infectada. Os dois testaram positivo e foram internados no Hospital Geral Menandro de Faria, em Lauro de Freitas. De lá, o casal foi transferido para o Instituto Couto Maia, onde Dumel veio a óbito. Andreza permanece internada, com quadro estável.  

“Ele sempre foi uma pessoa exemplar, que batalhou desde cedo para alcançar os objetivos. Era apaixonado pelo nosso filho, o Benjamin, tinha muitos amigos e sempre nos encantava com o seu sorriso no rosto. Foi uma verdadeira luz que passou nas nossas vidas”, lamentou Andreza. 

Andreza Bacellar (à esquerda) também estava no Rio de Janeiro com MC Dumel (Foto: Reprodução/ Instagram)

‘Funkeiro baiano’ 
Na verdade, o Diego Albert nasceu no Rio de Janeiro, mas o MC Dumel é totalmente baiano. Quando criança, sua família se mudou para Salvador. Com o tempo, alguns familiares decidiram voltar para a terra natal ou foram viver em outras cidades, mas o já MC Dumel decidiu permanecer na Bahia, terra que ele escolheu como sua casa.  

“Aqui ele começou a sua carreira, participando de batalhas de rap. Se tornou designer, formou uma família e criou laços com diversos artistas baianos”, lembrou Wagner Dórea. Juntos, eles montaram a T-Music Brasil, produtora que hoje cuida de outros cinco artistas: Banda Beat Brasil, Banda a Dona, A Invasão, DJ Cretino e MC Ravena. 

MC Dumel (esquerda) e Wagner Dórea (direita) eram muito amigos (Foto: arquivo pessoal)

DJ Cretino é a alcunha de Fabio Souza, 22 anos, que fazia shows junto com Dumel. Ele também estava no Rio de Janeiro com o artista e apresentou sintomas da doença, mas teve uma melhora no quadro e não precisou ir ao hospital.  

“Eu o conheci num show dele. Estava dançando na pista e Dumel me chamou para ir para o palco. Críamos um vínculo e ele me chamou para ser o DJ oficial dele. Sempre foi muito humilde, desse jeito”, disse.  

Tanto Dórea como DJ Cretino não consideravam o colega de trabalho apenas um amigo, mas um verdadeiro irmão. “Mas do que isso, ele foi um pai para mim. Sempre acreditou na minha potencialidade e me deu apoio. Vai ser difícil, mas vou continuar com a minha carreira, para honrar ele”, disse o DJ.  

MC Dumel (esquerda) e DJ Cretino se apresentavam juntos (Foto: arquivo pessoal)

Dórea também pretende continuar com a produtora. “O sonho dele era ser conhecido em todo Brasil. Temos músicas dele que já estão gravadas e íamos lançar em 2020. Vamos seguir por ele”, afirmou. O último lançamento do MC Dumel foi a música Vai Luan, uma parceria com a MC Moana.

 

Artistas 
Como designer, MC Dumel fazia as próprias artes publicadas nas suas redes sociais e da produtora. Mais do que isso, ele fazia parcerias com outros artistas, como Tierry e Igor Kannario. Os dois lamentaram a perda. 

“Obrigado, irmão! Você era à frente do seu tempo, visionário. Fez a minha primeira arte gráfica! Vai com Deus, Duma”, escreveu Tierry. Já Kannario afirmou que MC Dumel esteve ao seu lado em um momento difícil: “Só Deus sabe a gratidão que tenho por você, que me ajudou na hora que mais precisei. A favela hoje chora a perda de um cara com o coração gigantesco. Descanse em paz, Terrível!”.    

Kannario relembrou do amigo em suas redes sociais (Foto: Reprodução/Facebook)

Fonte: Correio