Weintraub diz que universidades que mantêm atividades em pandemia serão premiada

Mesmo com a recomendação de autoridades sanitárias para que o isolamento social seja mantido, com o objetivo de combater o avanço da covid-19, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, se posicionou neste sábado a favor da volta às aulas e afirmou que as universidades que estão mantendo as aulas serão premiadas

Em uma postagem no Twitter na qual o ministro garante que haverá Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), um internauta questionou sobre as universidades que estão paradas. “Autonomia universitária… Porém, as que estão dando aulas receberão mais recursos e serão premiadas. Há joio e há trigo…”, respondeu Weintraub.

O chefe da pasta também estimulou estudantes a se organizarem para pressionar reitores e diretores por aulas à distância. “Os estudantes parados devem se organizar e pressionar reitores/diretores por aulas à distância. Vocês são adultos! Lutem pelo seu futuro!”.

Em outras respostas sobre o funcionamento de escolas particulares, por mais de uma vez Weintraub citou os governadores. “Tento ajudar, porém, alguns governadores pararam o Brasil”, disse.

A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) criticou a postagem do ministro. “Ao se negar a adiar a prova do Enem e ameaçar as universidades, dizendo que aquelas que estão mantendo as aulas receberão mais recursos, o que ele está fazendo é mais uma vez sendo completamente irresponsável e demonstrando sua grande falta de conhecimento da realidade do Brasil”, disse.

Para ela, são justamente as universidades com menos recursos que vão precisar de mais apoio do MEC para encontrar soluções de educação remota. “Então, ao invés de estar falando besteira no Twitter, ele deveria estar sentando, conversando por videoconferência com secretários estaduais, municipais e reitores para encontrar soluções”, afirmou.

O presidente da Comissão de Educação da Câmara, deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB), também discordou do ministro. “É um critério muito delicado porque as universidades que não estão tendo aula estão por um motivo óbvio que é o combate dessa crise e para diminuir o número de mortes”, disse. “Temos de ter um entendimento de que quem está ficando em casa não fica porque quer. Discordo desse critério e faço a defesa de quem parou as atividades”, afirmou.

Fonte: Agencia Brasil