Coronavírus já mata mais por dia nos EUA que câncer e doenças cardíacas

O novo coronavírus já é o responsável por causar mais mortes, por dia, nos Estados Unidos. Há quase três semanas, desde o dia 7 de abril, a covid-19 está provocando mais de 1,8 mil óbitos no país em 24h – e o número pode estar sendo subnotificado. Isso significa uma letalidade diária maior do que a sofrida pelos EUA por doenças cardíacas (com a média de 1.774 vítimas fatais por dia) e câncer (média de 1.641 vítimas fatais por dia). As informações são do jornal New York Times. 

Na terra do Tio Sam, o total de mortes pelo vírus passou de 40 mil no último domingo (19), apenas quatro dias após os Estados Unidos registrarem a marca de 30 mil óbitos. O alto crescimento do número em pouco tempo veio depois que Nova York, epicentro da pandemia no país, começou a contabilizar as fatalidades prováveis, mas não provadas – uma decisão tomada na última quarta-feira (15).

As curvas epidemiológicas americanas até indicam uma ‘reta’, com menos internações hospitalares em Nova York e quantidades menores de pacientes da covid-19 nas UTIs, mas o número diário de óbitos pode não diminuir tão cedo já que ainda não foi identificada uma trajetória descendente da curva por lá.

Contudo, segundo um modelo epidemiológico frequentemente citado pela Casa Branca, produzido pelo Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington, as projeções de mortes são um pouco melhores que o cálculo inicial. Antes, eram previstos de 100 mil (no melhor cenário) a 240 mil óbitos até o fim de junho, quando acontece o ápice do verão do hemisfério norte. Agora, a projeção caiu para 60 mil mortes. Isso indica que ainda vão haver vítimas fatais, mas em quantidade muito menor.

Os EUA levaram 38 dias entre a primeira morte em decorrência do novo coronavírus, em 29 de fevereiro, até a marca de 10 mil óbitos, em 6 de abril. Mas precisaram de apenas 5 dias para alcançar o número de 20 mil vítimas fatais. O país, aliás, tem o maior número mundial de casos confirmados de covid-19, com mais de 744 mil casos.

Fonte: Correio