Nova equipe atua na descontaminação de hospital que atende vítimas da covid-19

A partir deste domingo (3), outra equipe de bombeiros militares especialistas em ocorrências com agentes químicos, biológicos, radiológicos e nucleares (QBRN), dará continuidade à operação de descontaminação e desinfecção do Hospital Costa do Cacau em Ilhéus. A troca da equipe faz parte dos protocolos de segurança, onde os militares podem, no máximo, ficar sete dias expostos aos produtos químicos e elementos biológicos.

“Para a descontaminação e desinfecção de estruturas para destruição dos riscos biológicos nós utilizamos elementos e substâncias  químicas, além de todo protocolo de segurança. A exposição não pode ser excessiva”, explicou o major BM Allan Guanais.

No último sábado, as duas equipes realizaram a ação. “Para seguirmos o mesmo padrão de atuação que fomos formados e especializados para fazer!”, completou o major. Durante a descontaminação, os bombeiros militares utilizam roupa de proteção química e biológica, além de proteção respiratória com filtro e botas e luvas especificas.

Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

Todo processo acontece em áreas que não estejam ocupadas. Como a unidade de saúde permanece em atendimento, a descontaminação tem que se realizar por etapas. Os militares atuam conforme a desocupação dos ambientes. A partir deste domingo, a ação passa a ser liderada pelo capitão BM Vagner da Silva Nascimento.

Esse tipo de descontaminação não é uma atividade específica de bombeiros, mas neste momento de pandemia, houve a solicitação da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), o que foi prontamente atendida pela corporação, pelo risco de perdas de vidas em consequência da contaminação. 

Durante a semana passada, bombeiros militares da capital baiana, capacitados para realizar a descontaminação, também realizaram a ação na Sesab, além de alguns ambientes da Polícia Militar, como o Quartel do Comando Geral, o Batalhão de Choque e a área ambulatorial da Junta Médica na Vila Policial Militar do Bomfim. O objetivo é deixar as áreas seguras para as pessoas que transitam nas áreas, sejam profissionais que atuam ou para que precisa de atendimento.

Fonte: Correio