Vitória da Conquista é referência em organização de filas em agências da Caixa

Em meio à pandemia do novo coronavírus e às orientações das autoridades de saúde para que as pessoas evitem aglomerações, a cidade de Vitória da Conquista, no Centro-Sul baiano, tem sido referência para todo o Brasil.

Através de estratégia de marcações no chão e bloqueio no tráfego de veículos, a cidade tem conseguido organizar as filas nas portas das agências da Caixa Econômica e manter a distância entre as pessoas que buscam o auxílio emergencial de R$ 600 dado pelo governo federal durante a pandemia.

Após perceber a aglomeração de pessoas que buscavam atendimento na agência da Caixa, no centro da Cidade, a Secretaria de Mobilidade (Semob) resolveu definir uma estratégia para conter o problema. Os agentes bloquearam o acesso de veículos à rua Maximiliano Fernandes e à praça Barão do Rio Branco, para dar mais espaço aos pedestres, e pintaram setas no chão com distâncias de um metro e meio.

“Resolvemos que fecharíamos as vias em um local onde se concentram cinco grandes agências de bancos. Uma das alternativas foi fazer a marcação no asfalto com setas que indicam a direção para onde a fila tem que caminhar. Colocamos isso em prática na noite da última quarta-feira, levando em consideração que aquela é uma área de comércio e a aglomeração acabava sendo natural porque as pessoas se escoravam nas marquises das lojas e ficavam aglomeradas. Por isso a alternativa de jogá-los para as vias”, explica Jackson Yoshiura, secretário de Mobilidade Urbana da cidade.

De acordo com a Semob, cerca de três mil pessoas comparecem ao perímetro demarcado todos os dias em busca do auxílio emergencial ou outro tipo de benefício nas agências da região. E eles entenderam o recado. Através de fotos aéreas e registro de drones, é possível observar a organização da população.

“Na quarta-feira, quando começamos a fazer as pinturas, as primeiras pessoas foram chegando e já ocupando o final da fila, recebendo essa medida de forma muito positiva”, continua Jackson.

A estratégia de organização e distanciamento contribui também para reduzir a demanda de agentes públicos utilizada no trabalho. O secretário conta que no primeiro dia de implantação da ação, 20 agentes patrimoniais participaram da atividade. Neste sábado (2), quando as agências da Caixa abriram de forma excepcional, apenas cinco profissionais auxiliavam na organização das filas.

“Na quarta feira nós tivemos mais de 20 agentes envolvidos na pintura e interdição das vias, na quinta-feira, quando a fila foi formada, foram 15 agentes patrimoniais e 12 agentes de trânsito, tudo isso no primeiro dia, que teve um reforço. Agora a estimativa no mesmo local é de cinco agentes patrimoniais e quatro agentes de trânsito fazendo o controle de acesso às vias. Com o passar do tempo vai reduzindo a demanda pois o cumprimento das marcações no chão vai acontecendo de forma voluntária”, diz o gestor.

Neste sábado (2), o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) entraram com uma ação civil pública conjunta para que a Caixa, a União e o Estado da Bahia tomem providências para evitar aglomerações de pessoas nas filas e nas agências da instituição financeira. A medida visa atender as normas e orientações para resguardar a saúde dos cidadãos durante a pandemia da Covid-19.

Na ação, os órgãos pedem, em caráter de urgência, que a Justiça Federal determine a adoção de medidas, sob pena de multa de R$30mil por dia para todos os municípios atendidos pela Procuradoria da República na Bahia.

Expansão
O modelo de organização montado no centro de Vitória da Conquista deu tão certo que a cidade agora inicia o processo de expansão da medida. De acordo com a Semob, o próximo perímetro será demarcado no bairro Brasil, que concentra grande contingente populacional. Em seguida, outras áreas também vão ter a estratégia adotada.

“A gente fica satisfeito com o resultado, isso parte de uma ideia de cuidar. Muitos municípios já chegaram à decisão de fechar as agências da Caixa. Nós analisamos que são pessoas que estão buscando benefícios. Não poderíamos ficar de braços cruzados olhando aquela situação, nem intervir fechando as agências. Graças a Deus deu certo. Conseguimos garantir o distanciamento de um metro e meio e o cidadão consegue receber seu benefício e continuar com a sua luta diária”, diz Jackson Yoshiura.

De acordo com o último boletim divulgado pela Secretaria de Municipal de Saúde, nesta sexta-feira (1º), Vitória da Conquista já registrou 33 casos do novo coronavírus, com três óbitos decorrentes da doença.

Outros 105 casos do coronavírus foram notificados como suspeitos e aguardam investigação da Secretaria Municipal de Saúde. 

Fonte: Correio