Barra registra aumento de furtos durante pandemia do coronavírus

Rua César Zama, Barra, 12h. Um morador do Edifício Santa Rita vai à varanda e custa a acreditar no que vê. Ele, então, com um celular, registra a audácia de dois homens dentro da área externa do prédio – um deles saía pela grade de um dos quartos do andar térreo na última quinta-feira (30). Os invasores tentaram furtar uma televisão, mas desistiram quando descobertos pelos moradores. E este não é um caso isolado. Entre os dias 10 e 29 de abril, houve pelo menos seis casos de furtos em imóveis na Barra que chegaram ao conhecimento do CORREIO – a maioria resultado de arrombamentos. 

Moradores acreditam que os casos têm relação com o isolamento social, uma das medidas de combate à proliferação do coronavírus. “E não são pessoas desconhecidas. São criminosos que vivem circulando pela Barra, que conhecem a rotina de moradores, trabalhadores e comerciantes, que aproveitam para agir porque as ruas estão vazias por causa do isolamento social. Ou seja, eles não contam mais com os olhares de quem passava rotineiramente. Não têm mais testemunhas oculares e por isso agem a qualquer hora”, declarou Marcelo Gonçalves, 32, morador do Edifício Santa Rita. 

Um policial da 14ª Delegacia (Barra) disse ao CORREIO que houve aumento no número de casos de furto desde o início do isolamento social por causa da pandemia.

“Alguns casos que aconteceram mais de uma vez. A gente tem percebido porque os casos aqui são mais de furtos de pessoas, que vacilam com o celular, corrente, relógio. Arrombamento era um ou outro, se muito, dois em um mês”, disse ele. 

Em nota, a Polícia Militar informou que o policiamento no bairro da Barra é realizado pela 11ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Barra), unidade que emprega viatura diuturnamente e moto diariamente realizando rondas. “Além de posicionar guarnições em locais estratégicos, a CIPM reforça o policiamento, através da Operação Visibilidade, com policiais militares atuando no período da madrugada com a finalidade de prevenir, sobretudo, crimes de arrombamento”, diz a PM. 

A nota informa ainda que o bairro conta, também, com o apoio de unidades táticas e especializadas, como a Companhia Independente de Policiamento Tático (CIPT)/ Rondesp Atlântico, Operação Apolo e Gêmeos. “É preciso salientar que população também pode utilizar-se do disque denúncia (3235-0000) e, assim, contribuir com informações que possam subsidiar o trabalho da Polícia Militar na localidade”, reforça o comunicado da corporação.

Vídeo
Segundo Marcelo, os homens que aparecem no vídeo são pessoas que costumam pedir alimentos e atuar como flanelinhas há bastante tempo na Rua César Zama. “Eles passam por aqui direto. Por estes dias, circularam com mais frequência, como se estivessem fazendo um levantamento da área”, contou.

Os dois homens tentaram levar uma TV de led que fica sobre um armário no quarto.

“Eles são espertos, entraram na área externa da frente do prédio como se fossem dois moradores. Um deles fingia que falava no celular e dizia: ‘Tá certo, tá certo, estou aqui para buscar’. Como se estivessem autorizados a entrar pela janela do apartamento. São grandes atores”, ironiza Marcelo. 

Na imagem, os bandidos são questionados sobre o que estavam fazendo. “E um deles respondeu que perdeu os documentos quando tinha feito recentemente um serviço no apartamento, que foram buscar, mas, como a dona não estava, resolveu entrar para pegar”, contou Marcelo.

A dona do imóvel estava dentro de casa, mas não percebeu nada porque estava em outro cômodo. “Eles provavelmente não conseguiram puxar a televisão e desistiram. A dona mora sozinha. A sorte foi que ela não viu nada, pois poderia ter acontecido uma tragédia com ela, caso desse de cara com um deles”, emendou. 

Hostel
Marcelo é gerente do Manhatã Hostel, que fica na Rua Barão de Itapuã. O estabelecimento foi arrombado no dia 23 de abril. Câmeras de segurança registraram a ação do bandido. “Mais uma vez, o ladrão é conhecido da área. É uma das pessoas que são vistas constantemente circulando pela Barra”, disse ele. O criminoso entrou depois de ter forçado uma janela.

O vídeo mostra o furto em dois momentos. No primeiro, o homem aparece caminhando descalço, segurando a sandália, olhando para os lados, usando um boné. Em uma outra imagem, a mesma pessoa circula já com um pano cobrindo o rosto e pegando um ventilador.

“Eles levam o que podem facilmente carregar. Esse levou um ventilador e outros objetos que passaram facilmente pela janela que ele forçou para entrar”, contou o gerente. 

No dia 10 do mesmo mês, um homem invadiu a Pousada Noa Noa, localizada em frente ao Farol da Barra, por volta das 16h30 e furtou três televisores. O suspeito entrou na pousada com uma máscara de proteção contra o coronavírus na cabeça e saqueou três TVs. Na ocasião, o homem furtou os produtos, os colocou amarrados em um pano e saiu do local.  

Na mesma semana, outros três estabelecimentos comerciais foram arrombados: um outro hostel, uma sorveteria e um supermercado. “Para se ter uma ideia, veja o absurdo: para não ter a propriedade arrombada novamente, os empresários estão dormindo dentro do hostel”, contou Marcelo.

João Pondé
Na Rua Doutor João Pondé, o CORREIO apurou que uma moradora de um dos prédios teve o apartamento invadido por ladrões que levaram televisão e outros objetos que puderam carregar com facilidade. A mulher mora no andar térreo de um prédio antigo. 

“Não estava ninguém em casa. Quando cheguei e fui no quarto, vi a janela aberta, que nunca deixo. Foi aí que dei falta das coisas e fui à polícia”, contou a mulher. Ela disse que, dias depois, a polícia recuperou o eu que lhe foi furtado.

Fonte: Correio