O que é lockdown? Entenda a expressão e porque foi adotada em alguns cidades

Ultimamente um termo da língua inglesa, “lockdown”, tem se tornado comum no noticiário brasileiro e em conversas devido ao avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Mas o que muitas pessoas podem não saber é seu significado e como funciona. A palavra “lockdown” pode ser traduzida como confinamento, de acordo com dicionários especializados no assunto e tem como objetivo o isolamento total entre as pessoas.

Esse confinamento que algumas cidades do país já estão passando tem regras muito mais duras do que o isolamento social, pratica adotada em quase todo o país para impedir a disseminação do vírus. O lockdown é uma medida extrema de bloqueio total que, em geral, inclui também o fechamento de vias e proíbe deslocamentos e viagens não essenciais por parte das pessoas.

O isolamento social, por exemplo, é mais brando, pois trata-se de uma sugestão para que as pessoas evitem sair de casa, mas não é uma ordem expressa. Já a quarentena seria um meio termo, pois já é uma determinação oficial de isolamento decretada por um governo, mas não tão restritiva quanto o lockdown.

No lockdown, as atividades essenciais continuam a funcionar, porém com um controle mais rígido do governo. É permitido sair para comprar alimentos, fazer o transporte de doentes ou realização de serviços de segurança, mas no mais, a circulação fica proibida.

No Brasil, o único Estado que já adotou a medida foi o Maranhão. Desde terça-feira (5) os moradores foram avisados por meio de um formulário on-line sobre as medidas, e caso haja desrespeito, a pessoa está sujeita a multas e, eventualmente, a uma pena criminal.

No Pará já são dez cidades com a determinação, mas num primeiro momento, o governo tenta tomar medidas educativas. O lockdown, no entanto, pode ser ampliado para outros municípios. Já Fortaleza, foco de muitos casos, o termo em inglês é evitado, mas um decreto municipal autoriza a prefeitura a restringir a mobilidade de pessoas e veículos que não estejam cumprindo atividades essenciais.

Em Minas Gerais não há previsão para a adoção da medida mais radical. O Rio de Janeiro, no entanto, já pensa na possibilidade, enquanto São Paulo tem adotado medidas mais restritivas no intuito de se evitar o fechamento completo do Estado.

Fonte: Agencia Brasil