Mães do universo fashion contam suas rotinas na pandemia

Elas são todas mães e ligadas em moda. Irá Salles, de 46 anos, é famosa no mercado, criou uma marca de sucesso, que leva seu nome, e viu suas criações rodarem o mundo, indo de Salvador ao Japão. Mãe de duas adolescentes, Fafi ,15, e Charlotte, 13, cumpre quarentena cheia de ideias originais em mente.  Luana Rodrigues, 39, à frente da marca LR atelier, é dona de um trabalho autoral com acessórios. Seu forte são bijuterias de impacto e, no último Verão, teve o seu melhor momento. A designer conseguiu realizar o sonho de ser mãe, quando nasceu Chiara, 2. Com ela no isolamento, Lua, como é conhecida, se desdobra para entreter a pequena e pensar nos negócios.

A modelo Thullê Montes, 24, tem uma estética incrível, toda tatuada, e pilota um brechó alternativo criativo na redes sociais, batizado de Alt santa (@alt.santastore). Grávida de 6 meses, espera uma menina e enfrenta esse momento tentando manter a calma e cuidando da saúde. A fotógrafa Marcella Figueiredo, 32, que já fez editoriais de moda para várias marcas da cidade, tem mantido a criatividade e o olhar fashion, transformando a filha Joana, 1, em modelo. A ideia é criar imagens poéticas. Ela assina o trabalho, junto com o companheiro, o também fotógrafo Lucas Araponga.

Confira o que a turma da moda tem a dizer:

Irá Salles 

A fashion designer Irá Salles desfruta da companhia das duas filhas durante a quarentena (foto: Acervo pessoal)

A quarentena: “Um grande aprendizado. Sabe aquelas coisas que sempre quis ensinar às minhas filhas e nunca tinha tempo? Pois agora estão aprendendo, inclusive a cozinhar. Também estão fazendo ioga e aproveitamos para colocar todas as conversas em dia. Outra distração é jogar. Para além disso tudo, ainda faço atividades em um quadro em inglês para elas”. 

Moda e pandemia: “Estamos assimilando que é possível viver com menos. O consumo será mais consciente, mas viver a moda traz sentimento de renovação. É como mudar a casca e estamos loucos para que isso aconteça. Hoje, em casa, sou muito prática, a ponto de me assustar. Aprendi em minhas mudanças que devemos viver com o essencial. Não quero excessos na minha vida. Com a quarentena, aprendi a ser mais prática ainda. Amo livros, mas já doei quase todos. Minhas leituras são no kindle. Gosto de casa limpa, pequena e minimalista”.

Dia das mães: “Um dia que deve ser lembrado com carinho. Mãe é uma referência de vida. Entre tantos papéis a serem cumpridos, ser mãe é o mais importante. Dar direcionamento, educação e amor para os filhos. Formamos novas gerações que vão gerir o mundo”

Luana Rodrigues

Luana Rodrigues se divide, durante a pandemia, em gerenciar sua marca de acessórios de casa e curtir a filha Chiara (foto: acervo pessoal)

A quarentena: “Confesso que, apesar das preocupações, das incertezas e da angústia que às vezes nos atropela de repente, o melhor da quarentena é poder conviver com minha filha 24 horas por dia. Sempre achei esta fase a mais linda de uma criança e agradeço todos os dias a oportunidade de ver esperança e alegria através desta convivência intensa”.

Moda e pandemia: “Menos mão na massa, menos vendas e menos correria. Em compensação, mais tempo para ócio criativo e para estudar o universo da moda por outra órbita. Moda é comportamento, emoção, atitude. E este momento é essencial para repensarmos tudo o que a envolve. Hoje, em casa, oscilo entre o pijama e o look confortável. Mas tem dias que acordo animadíssima, me maquio, coloco batom vermelho e vou me divertir”.

Dia das mães: “Mistura de emoções. Sinto muita saudade da minha que mora longe, mas me sinto a mulher mais poderosa e especial do mundo, porque gerar minha menininha foi o maior milagre da vida”.​ 

Thullê Montes

A modelo Thullê Montes passa a quarentena se cuidando e na expectativa do nascimento de sua primeira filha, previsto para agosto (foto: Acervo pessoal)

A quarentena: “Tenho tentado me manter tranquila e aproveitar o tempo da quarentena para cuidar melhor de mim, da alimentação, do corpo com exercícios, e da mente, lendo bons livros. Também jogo baralho com a família para distrair. Mantenho uma rotina de conexão com amigos e familiares através de chamadas de vídeo e ligações. Precisei adaptar meus planos quanto ao chá de bebê, que queria muito fazer. Tenho acompanhado mamães pelas redes sociais que estão optando por chás de bebê online, com lives e vídeos. Nesse momento de isolamento social, a criatividade precisa ser uma aliada”.

Moda e pandemia: “Acho que a moda, nesse momento, precisa ser algo mais clean, já que as recomendações são; sair sempre de máscara, manter o cabelo preso, não usar acessórios como brincos grandes, anéis. Além de tudo isso, como estou gestante, tenho me preocupado mais com o conforto dos looks, opto muito por vestidos e macacões nessa nova fase. Às vezes, passo dois dias de pijama, um dia de lingerie. No outro, invento de me produzir, passar um batom, fazer algo diferente no cabelo, penteados. Customizo roupas… E por aí vai. Acho que não cabe nos cobramos muito nessa nova rotina”

Dia das mães: “O dia das mães sempre foi algo muito especial, pois tenho uma mãezona maravilhosa, uma avó extremamente cuidadosa. Então, fico muito feliz por poder dedicar um dia especialmente pra agradecê-las e exalta-las. E agora em especial, com a gestação, consigo entender muito melhor o real significado do amor incondicional das mães com seus filhos, de como esse amor nos transforma e nos dá forças”.

Marcella Figueiredo 

Marcella Figueiredo, fotógrafa de moda, espera o Dia das Mães como a realização de um sonho com sua filha Joana, de 1 ano (foto: Acervo pessoal)

A quarentena: “Tem sido um período de imersão no universo da minha filha e na forma como ela descobre o mundo. Joana fez um ano, então tudo é novidade, divertido e curioso. Poder participar de cada descoberta junto com ela é incrível! Trabalhar com fotografia é não ter uma rotina normal. Criamos a nossos próprios horários. Então, com isso, minha relação com Joana, que já era próxima, ficou agora simbiótica. A mudança foi mais proximidade e mais denguinhos possíveis”.

Moda e pandemia: “Estamos vivendo um momento de ruptura, de criação de um novo formato de vida e, óbvio, a moda acompanha sempre cada ciclo. Estou curiosa para saber o que esse novo paradigma vai trazer de diferente. Acredito muito que as pessoas passaram a enxergar as artes como algo essencial. E isso talvez permeie nas novas criações. Juntamente com a forma como as pessoas valorizam o que vestem: conforto, qualidade e personalidade”.

Dia das mães: “É a realização de um sonho. Joana foi desejada. Estava ansiosa para que esse dia fosse meu também! É uma mudança completa de vida, ressignificando tudo, modificando de uma forma incrível; posso dizer que é descobrir o que é amor de verdade. Depois que você é mãe, valoriza todas as pessoas que te criaram que te amaram desde pequenininha. Não estar com minha mãe vai ser muito duro, não estar com minha avó, minha tia… O nó na garganta me dá vontade de gritar ‘eu te amo’ o tempo todo só para elas entenderem o tamanho do meu amor”.

Fonte: Correio