Sem aulas presenciais, alunos da rede municipal passam a ter atividades virtuais

Foto: Valter Pontes/Arquivo SecomPMS

As salas de aula continuam fechadas por tempo indeterminado por conta da pandemia do novo coronavírus. Segundo antecipou o prefeito ACM Neto durante coletiva online realizada nesta sexta-feira (15), o decreto que suspende as aulas municipais será renovado e é possível que suspensão das atividades alcance, ainda, o mês de junho. Para oferecer aos alunos a possibilidade de retomar os estudos mesmo de longe, aulas virtuais começam na próxima segunda (18).

As atividades serão ofertadas a cerca de 33 mil alunos da rede municipal de Salvador. Voltada aos estudantes matriculados no Ensino Fundamental II e na Educação de Jovens e Adultos (EJA) II, a iniciativa acontecerá gratuitamente através de um termo de cooperação com a Escola Mais – unidade de ensino de São Paulo que é referência em ensino digital para Fundamental II e Médio. Para participar o aluno deve se inscrever através do site da plataforma.

Os detalhes da iniciativa do Escola Mais Digital foram apresentados pelo prefeito ACM Neto e pelo titular da Secretaria Municipal da Educação (Smed), Bruno Barral, durante a coletiva virtual. A intenção é de que as aulas virtuais sirvam como atividades educacionais complementares, ou seja, sem avaliação, nesse período de isolamento social e sem previsão do retorno à normalidade na vida estudantil.

“Reconhecemos que as condições dos alunos da rede pública são muito diferentes da rede privada. Os alunos de escolas particulares possuem acesso fácil à internet, seja a de casa e até mesmo através de celular próprio. Já boa parte dos alunos da rede pública não tem acesso à internet, então ficaria difícil fazer avaliação através de educação à distância. No entanto, não poderíamos ficar de braços cruzados nesse período de 60 dias parados. Por isso, diante de um quadro de incertezas, está sendo feito esse trabalho de educação à distância com os alunos do Ensino Fundamental II, que já estão em um nível mais avançado de aprendizado”, salientou ACM Neto.

A segunda etapa dos trabalhos de retomada da educação, de modo remoto, será realizada através de um canal televisivo para que a abrangência possa ser maior.  A negociação com um canal de TV aberta está em curso para que sejam exibidas as aulas e também com uma operadora de celular para disponibilização de chips com pacotes de dados para estudantes. No caso das videoaulas, a produção do conteúdo já está desenhada e a estimativa é de que comecem na primeira semana de junho. Nesta etapa  será possível que o conteúdo veiculado seja considerado como avaliação no calendário pedagógico.

“Por enquanto, com o conteúdo passado apenas pela internet, vai ser um conteúdo adicional, sem contar para as horas aulas e dias letivos. É adicional e que vai ser oferecido para que os alunos possam ter algum tipo de atividade nesse periodo de pandemia e que não fiquem em casa totalmente distantes da questão pedagogíca e do acesso ao conteúdo que ele aprende normalmente. O aluno que não conseguir ter acesso depois terá o conteúdo completo em sala de aula”, explicou o gestor municipal. 

Lives
O secretário Bruno Barral explicou que as aulas virtuais acontecerão de segunda a sexta-feira nos turnos matutino e vespertino, ou noturno para os alunos da EJA. “De manhã, serão quatro horas e vinte minutos de aula, das 8h às 12h20, com os professores da Escola Mais. À tarde, ou à noite, no caso da EJA, haverá atividades ao vivo com os professores da rede municipal, que estão recebendo capacitação para o uso da plataforma. Esse momento será destinado à realização de roteiros de estudos, revisão e esclarecimento de dúvidas, bem como para o atendimento individual dos alunos”, relatou. O segundo turno de atividades acontecerá ao vivo.

O secretário aimda destacou que as novas ferramentas são importantes ao momento. “Depois desse processo de pandemia a gente vai ter que repensar as nossas operações em termo de educação. É um ponta pé inicial que damos nesse momento para o ensino a distância que nesse momento é optativo. O  fato que nem todos poderem ter não quer dizer que nós não vamos fazer para quem pode. Mas a gente também não quer deixar ninguém para traz, mas todas essas ferramentas são algo que vem para a gente pensar as fontes de comunicação do nosso fazer pedagogico”, afirmou Barral.

Sobre a retomada das atividades, o prefeito ACM Neto destacou que, sem previsão de volta para a sala de aula, os calendários acadêmicos de 2020 e 2021 estão sendo estudados. “Ainda não existe uma data, talvez até nem seja possível retomar no mês de junho a depender do cenário da pandemia. No entanto, estamos conversando também com a rede privada para que seja permitida a compensação das aulas em 2020 e 2021, com calendários diferentes do tradicional, tendo que sacrificar inclusive o recesso e as férias para que as crianças não tenham o ano de 2020 comprometido”, declarou.

Fonte: Correio