Ministério Público do Trabalho vai fiscalizar hospital de campanha do Maracanã

O Ministério Público do Trabalho (MPT) do Rio de Janeiro vai fiscalizar o hospital de campanha do Maracanã após denúncias de falta de EPIs e locais de descanso adequados para os profissionais de saúde que trabalham no local.

O Sindicato dos Técnicos em Enfermagem relatou ao MPT irregularidades nas condições de descanso e repouso dos profissionais no hospital estadual. Vídeos gravados por enfermeiros que circulam nas redes sociais mostram trabalhadores descansando em colchões no chão.

“Pedi a verificação à luz do conceito de trabalho degradante, uma vez que submeter um trabalhador a condições tão adversas de trabalho contraria a natureza humana de autopreservação e os direitos fundamentais à vida e à saúde”, diz o procurador Marcelo José Fernandes da Silva, que assina o pedido.

O procurador solicitou ainda a conselhos de psicólogos e psiquiatras informações sobre possíveis traumas e consequências para a saúde mental dos funcionários no caso de trabalho sem as condições exigidas pelas autoridades de saúde durante a pandemia.

O hospital do Maracanã foi erguido e é administrado pelo Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde), que tem episódios de má gestão e crime em seu histórico, estando proibido de participar de disputas na cidade do Rio de Janeiro por irregularidades na gestão de UPAs cariocas.

Dos nove hospitais de campanha prometidos pelo Estado do Rio de Janeiro, apenas três estão atendendo: dois foram financiados pela iniciativa privada e são geridos pela Rede D’Or, e o do Maracanã, aberto no último dia 9.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, uma equipe de regulação no hospital de campanha do Maracanã foi criada nesta sexta (15) para conferir o número de pacientes internados e garantir o fluxo de novas internações. Na quinta (14), segundo a pasta, uma equipe técnica esteve no local e ordenou a correção da sala de descanso, o que aconteceu, ainda segundo a secretaria, no mesmo dia. 

Na sexta (15), uma equipe esteve novamente no local para apurar denúncias de descarte irregular de roupas hospitalares e EPIs. O hospital de campanha do Maracanã tem 200 leitos abertos, com 121 pacientes internados até este sábado (16).

Fonte: Agencia Brasil