Desde que a quarentena foi decretada, inúmeros profissionais autônomos, como encanadores, técnicos em eletro eletrônicos, pintores, estofadores e tantos outros viram seus rendimentos caírem drasticamente. O CORREIO reuniu algumas dicas valiosas para minimizar as perdas desse período, dar visibilidade aos serviços e ainda estabelecer uma nova clientela. 

Uma delas diz respeito a uma plataforma gratuita lançada pelo Sebrae que está ajudando a criar uma rede de negócios com empreendimentos de diversos segmentos. Os consumidores podem também se conectar com as empresas e empreendedores autônomos através de uma pesquisa rápida disponível no site. Atualmente, a plataforma já possui mais de 2.200 negócios cadastrados em diversos segmentos.

Na plataforma, disponível no site www.valorizeopequenonegocio.com.br, os empreendedores podem se cadastrar, criar um card para redes sociais fazer parte da lista de negócios que podem ser consultados por outros empresários e também por consumidores. A ideia é fazer com que os pequenos empreendimentos e empreendedores se conectem com consumidores dos seus serviços e produtos através do card virtual gratuito que pode ser compartilhado nas redes sociais do negócio e em aplicativos de mensagens.

Novas oportunidades

Gestor de atendimento e analista técnico do Sebrae Bahia, Wagner Gomes afirma que apesar das mudanças na contratação de serviços, existe uma oportunidade que precisa ser aproveitada, pois muitas pessoas estão em casa, precisando fazer aqueles serviços de manutenção ou pequena reforma  adiada, geralmente, pela ausência de quem  pudesse fiscalizar a obra. “Então, aí está uma oportunidade para estes profissionais de manutenção em residências. Logicamente, que estamos em um momento delicado, em que os orçamentos precisam ser elaborados com precisão e cautela, para que se mantenha a relação ganha-ganha, sem jogar o preço muito para cima”, orienta. 

Para entrar nesse mercado e aproveitar o momento, Wagner salienta que é fundamental não esquecer que, nos lares, especialmente neste momento  em que as pessoas estão em home office, é necessário silêncio ou o mínimo de barulho possível. “Não se pode esquecer ainda da necessidade de passar segurança ao cliente no que tange à questão do uso de  EPI, para evitar levar às residências a possibilidade de contágio”, pontua.

Outra sugestão é lembrar aos potenciais clientes sobre os serviços usando as redes sociais. “Há, ainda, a possibilidade de divulgar no WhatsApp, mas sem exagerar para não incomodar demais os clientes. Quem tiver possibilidade, pode imprimir pequenos folhetos ou panfletos e distribuir no bairro, condomínio ou comunidade, além de fazer  uso da velha e conhecida promoção da divulgação boca a boca”, completa.

Serviços reinventados

Para a prestação de serviço, vale usar uma linguagem direta e objetiva. Wagner Gomes sugere algo do tipo ‘Lembra daquela goteira do seu quarto?’ ou, ainda, ‘O frio está chegando e seu chuveiro elétrico está quebrado?’.  “Vale lembrar que muitos escritórios, lojas e ambientes de trabalho também estão fechados, mas, muitas vezes, precisam de pequenas reformas. Sem a presença dos clientes e dos funcionários pode ser uma alternativa boa oferecer aos donos dos estabelecimentos os serviços de reforma nesse momento”, diz.

Arthur Braga salienta que os autônomos podem e devem buscar parcerias que possibilitem agregar seus serviços a de outros parceiros (Foto: Divulgação)

O CEO da Bonuz, escritório de advocacia focado em atender startups e empresas em fase inicial, o advogado Arthur Braga Nascimento reforça que o ideal é se reinventar, pensando, por exemplo, em novas formas de cobrança de clientes, com mais parcelas, e basear a relação em longo prazo, e não mais em curto prazo. “Se conseguir manter o relacionamento com o cliente mais duradouro, maior vai ser a renda, chegou o momento em pensar em volume”, sugere.

Braga lembra que os profissionais autônomos podem ainda oferecer seus serviços em plataformas diversas que, assim como a do Sebrae,  intermediam necessidades com soluções. “Nessa oferta, o ideal é demonstrar a experiência que tem, mas também a segurança na prestação do serviço”, reforça, citando a Eu Nerd,Get Ninjas e, em casos de mão de obra em ativos imobiliários, a Fix. 

Outra solução citada pelo advogado consiste em realizar parcerias com áreas estratégicas para oferecer um pós-venda. “Essas parcerias vão ajudar na maximização de receitas, considerando comissões comerciais, e a movimentar o negócio durante a pandemia”, ensina. 
 

Fonte: Correio