Manhã de domingo foi marcada por solidariedade entre soteropolitanos

Em Salvador, uma onda de solidariedade tem se formado diante da pandemia do coronavírus. Só nna manhã desse domingo, um drive-thru solidário na Universidade Federal da Bahia (UFBA) e uma missa com os fiéis dentro do carro, no pátio da Igreja de Santa Luzia, arrecadaram alimentos, material de higiene e itens de proteção individual para serem doados às comunidades carentes. 

 Na UFBA, o projeto intitulado Drive-Thru Sapeca arrecadou alimentos para as instituições credenciadas no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA). O estante foi montado na portaria principal da universidade, localizada no campus Ondina, no sábado e domingo, das 10h às 17h.  

Ao chegar no local, o carro passava por um processo de higienização, o que chamou a atenção da doadora Cleide Lima, 35. Ela é formada em produção cultural na Faculdade de Comunicação e agora é aluna da Faculdade de Teatro. “Eu queria doar para alguma instituição que fizesse entrega para as comunidades de Salvador. Quando surgiu essa campanha da UFBA, vi a oportunidade de fazer minha parte”, disse.  

A solidariedade motivou a estudante Cleide Lima em sair de sua casa em pleno domingo de manhã (Foto: Daniel Aloisio/CORREIO)

No total, mais de 300 entidades ligadas ao CMDCA serão beneficiadas pelas doações, que estão sendo armazenadas numa sala da universidade. Até o final da manhã, o Drive-Thru Sapeca tinha arrecadado quase uma tonelada de donativos, segundo o presidente do Conselho, Renildo Barbosa. “Nós temos um termo de cooperação com a UFBA que nos permitiu fazer algumas ações com a universidade. Essa é só mais uma das atividades”, explicou.  

Congresso 

O esquema solidário montado faz parte da programação do Congresso Virtual da UFBA, que começou na última segunda-feira (18) e vai até a próxima sexta-feira (29). A ação tem coordenação do Sapeca (Soluções de Aprendizagem e Projetos para Entidades relacionadas ao cuidado com Crianças e Adolescentes), iniciativa que envolve diversas unidades acadêmicas da Ufba que atendem à demandas do CMDCA Salvador. 

“A gente criou o Sapeca no ano passado para capacitar essas instituições que cuidam das nossas crianças e adolescentes. Esse ano, a gente tinha pensado em fazer muita coisa, mas tudo foi suspenso por causa da pandemia”, lembrou o professor da Escola de Administração e um dos coordenadores do Sapeca, Horácio Nelson Hastenreiter Filho.  

Para Carolina Síbio, 35, representante do Instituto Caminhar, que atende crianças de 6 a 12 anos que, preferencialmente, ainda não aprenderam a ler e escrever e estão matriculadas em escolas regulares, a ajuda virá num momento oportuno.

“A gente até tem enviado atividades para as mães via redes sociais, mas o nosso grande problema são as doações mesmo. Temos mães que perderam toda sua renda e nos dizem que não tem nem sabão para lavar um prato”, disse, Síbio.  

A professora e diretora da Faculdade de Comunicação, Suzana Barbosa, que também faz parte do Sapeca, esteve no local para acompanhar as doações. “Nessa semana que continua o Congresso Virtual da UFBA, não teremos mais o drive-thru, mas esperamos que as pessoas continuem ajudando essas instituições. Eu mesma não trouxe uma doação física, pois farei minha contribuição por um aplicativo de transferência bancária”, disse.  Com participação do reitor João Carlos Salles, a iniciativa arrecadou mais de duas toneladas de itens de higiene, alimentação e limpeza.

Os professores Suzana Barbosa e Horácio Nelson acompanharam a manhã de doações (Foto: Daniel Aloisio/CORREIO)

Para quem quiser ajudar, pode fazer a transferência para a Conta Corrente 33785-4, agência 2799-5, Banco do Brasil.  

Missa solidária 

Já na Igreja de Nossa Senhora do Pilar e Santa Luzia, no Comércio, a manhã de domingo foi um misto de fé e solidariedade. A terceira edição da Missa Drive-in, celebrada pelo Padre Renato Minho, comemorou os 17 anos da Ordenação Sacerdotal do pároco. O presente requerido pelo sacerdote foi doações de alimento e material de higiene.  

 “Nós conseguimos arrecadar cerca de 50 cestas com alimentos e material de higiene. Vamos destinar tudo para os nossos projetos sociais e as famílias carentes da comunidade que acompanhamos”, disse o padre. Para evitar aglomerações, a entrega das doações aconteceram no final da missa, assim como o ofertório, momento em os fiéis podem depositar uma contribuição financeira para a Igreja.  

O pátio da igreja estava lotado de carros (Foto: Daniel Aloisio/CORREIO)

“É importante destacar que essa Missa é realizada com todas as pessoas dentro dos seus carros e de máscara. Aqueles que não podem vir no seu veículo, podem acompanhar pelas redes sociais”, destacou padre Minho. Na primeira missa do tipo, apenas 12 veículos participaram. Depois, esse número aumentou para 22 e, hoje, atingiu 57 veículos.   

As pessoas buzinavam nos momentos de bater palma e balançavam os braços como se estivessem em uma cerimônia normal. “Não é uma missa monótoma. Veio até gente de outras paróquias participar”, disse a irmã do padre, Remercia Figueiredo, 55. “A gente já fazia trabalhos sociais antes dele assumir essa Igreja. Nessa pandemia, essa ajuda ao próximo aumentou”, garantiu.  

Para Madalena Santos, 67, que é amiga do padre Renato, a missa conjugou a comemoração da ordenação do padre com a solidariedade. “Minha família já queria fazer uma doação e através do padre ficou mais fácil. Eu só estive nessa igreja uma vez, no ano passado, justamente o dia de Santa Luzia”, disse.  

Madalena Santos participou da Missa com o seu esposo e irmão (Foto: Daniel Aloisio/CORREIO)

Aqueles que desejarem contribuir com as ações sociais da Igreja de Santa Luzia podem ir na missa que acontecerá no mesmo local, no próximo domingo, às 9h. “O objetivo da missa não é arrecadar doações e sim fortalecer o povo na fé. Esse gesto concreto é só algo a mais que fazemos”, destacou o padre 

* Com orientação do chefe de reportagem Jorge Gauthier

Fonte: Correio