Uruguai reforça medidas na fronteira com Brasil por surto de Covid-19

O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, anunciou nesta segunda-feira (25) o reforço das medidas sanitárias na cidade de Rivera, no norte do país, na fronteira com o Brasil, onde foi registrado um surto de Covid-19 que causou duas mortes nesse fim de semana.

Em entrevista coletiva, o presidente disse que conversou pela manhã com seu colega brasileiro Jair Bolsonaro, para colocar em prática um tratado de ação sanitária binacional já existente.

“Reunimos a aprovação do presidente brasileiro para aplicar esse tratado e, nas próximas horas, o colocaremos em prática”, disse, acrescentando que há “preocupação recíproca com o que está acontecendo na fronteira”.

Lacalle Pou também informou que os ministérios do Interior e da Defesa adicionarão dois postos migratórios e sanitários aos dois já existentes nos pontos de fronteira para minimizar o tráfego de e para a capital do departamento homônimo – com uma população de mais de 100.000 habitantes.

Além disso, suspendeu-se o início das aulas na cidade, programado para os dias 1º e 15 de junho, e ordenou-se um aumento dos recursos de saúde, como ambulâncias e leitos de terapia intensiva. Além disso, foram anunciadas inspeções em lojas locais, que por enquanto não foram fechadas.

As medidas estão “focadas no respeito à vida binacional, mas ao mesmo tempo tentando garantir que surtos de contágio não migrem da Rivera para o resto do país”, disse Lacalle Pou.

Até quinta-feira (28), cerca de 1.100 testes aleatórios serão realizados na cidade para medir o número de infecções.

A cidade de Rivera registrou 12 casos positivos de coronavírus até domingo, dos quais “cinco pertencem ao mesmo contato”, caracterizando um surto, explicou o subsecretário de Saúde José, Luis Sadjian, ao canal 10 nesse fim de semana. As duas mortes por Covid-19 registradas no sábado no Uruguai ocorreram nessa cidade.

O Uruguai tem a epidemia de coronavírus sob “controle relativo”, segundo especialistas que aconselham o governo. O país registra 769 casos, 22 mortes e apenas 129 pessoas com a doença em andamento.

No entanto, a fronteira é o calcanhar de Aquiles, já que a passagem nas cidades fronteiriças com o Brasil permanece aberta para os residentes de ambos os países devido ao caráter “binacional” dessas localidades.

Com 363.211 casos e 22.666 mortes até agora, o Brasil é o país mais afetado na América Latina e o segundo no mundo devido à pandemia de coronavírus, depois dos Estados Unidos.

Fonte: Agencia Brasil