No primeiro dia de restrições, Pernambués tem fila para teste rápido de covid-19

A Prefeitura de Salvador ligou o sinal amarelo para os bairros de Paripe, Itapuã, Cajazeiras e São Marcos. Essas regiões podem ser as próximas a terem as medidas restritivas. 

A informação é da secretária municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre) Ana Paula Matos. “Estamos monitorando todos os bairros, mas Paripe, Itapuã, Cajazeiras e São Marcos têm apresentado números que fazem a gente ficar em alerta. Se daqui a alguns dias isso não mudar, vamos implementar as ações restritivas”, disse a secretária, na manhã deste sábado (30). 

A secretária estava em Pernambués, acompanhando as ações da prefeitura no primeiro dia de medida restritiva no bairro. Além da realização de testes rápidos e aferição de temperatura, foram entregue cestas básicas.

“O objetivo do teste é tirar as pessoas infectadas das ruas. Estamos cadastrando também os ambulantes e entregando cestas básicas porque eles também deixam de circular e evitam a propagação do vírus”, disse a secretária.

Ana Paula ainda ressaltou a importância das medidas restritivas em alguns bairros. “Veja Brotas e Pituba. Estavam antes com índices altos de contaminação. Hoje, os casos diminuíram”, declarou. 

Teste em praça pública
Com os sintomas da covid-19, como febre, dor de cabeça, falta de ar, ausência de paladar e olfato, a secretária Ana Lúcia Gonçalves, 47 anos, foi uma das pessoas que procuraram os testes rápidos da prefeitura em Pernambués na manhã deste sábado (30), primeiro dia de medidas restritivas no bairro, que já contava com 85 casos confirmados da doença até esta sexta-feira (29). 

O serviço de teste rápido começou a ser oferecido por volta das 8h, mas uma hora antes, moradores já formavam uma fila extensa, que dava a volta na Praça Arthur Lago, em frente ao Condomínio Jardim Europa. 

Acompanhada do marido, Manoel Gomes de Jesus, 48, que também apresenta sintomas da doença, Ana Lúcia estava apreensiva. Segundo ela, no local onde trabalha três colegas testaram positivo para a doença.  

“A minha preocupação maior é que meu marido é do grupo de risco. Ele tem hidrocefalia e, por isso, tem uma válvula no cérebro”, disse ela, pouco antes de ser chamada por agentes da Secretaria Municipal de Saúde para aferir a temperatura – ambos, com temperatura superior a 37°C, foram encaminhados para a coleta de sangue. 

Na fila da triagem, o pedreiro Gilmar Teixeira, 38, disse que não tem sintomas da doença, mas manteve contato com pessoas que foram diagnosticadas com o vírus. “Não estou tossindo, não estou com febre, sequer gripei, mas estava trabalhando com pessoas que hoje estão afastadas por causa da doença. Então, na dúvida, vim fazer o teste para saber o que fazer de minha vida”, disse ele.

O estudante Felipe Ferreira, 23, não teve a mesma sorte. Um pouco febril e com dor no corpo todo, ele preferiu sair de casa mesmo indisposto para fazer o teste. “Estou na dúvida se é a covid-19 ou dengue, porque o bairro também está com o surto (de dengue). Então, para evitar a aglomeração em hospital, achei melhor vir aqui e fazer o teste”, declarou.

Os resultados dos exames são informados diretamente aos pacientes, em até 24h. Caso seja negativo, a SMS envia uma mensagem. Já em casos positivos, a equipe telefone, solicita que a pessoa se isole imediatamente e dá demais orientações de como proceder.

Estabelecimentos fechados
Agentes da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (Sedur) fiscalizaram o funcionamento do comércio no bairro. Foram quatro equipes que circularam em vários pontos da região. Até as 11h, quatro estabelecimentos foram interditados por uma das equipes – um bar, uma barbearia e uma loja de variedades e uma pizzaria. 

Foto: Ascom Sedur

As ações foram realizadas na Rua São Paulo, Rua da Harmonia, Rua da Legalidade e Largo da Ventosa e contaram com a Polícia Militar.

Na Rua Thomaz Gonzaga, a principal do bairro, agentes entraram na Bela Delicatessen. O estabelecimento cumpria as determinações dos fiscais: funcionários trabalhavam usando máscaras, álcool em gel à disposição e não havia aglomeração.

“As pessoas estão entendendo a importância das medidas. Para evitar aglomeração, tiramos as mesas e cadeiras onde os clientes paravam para lanchar. Eles entenderam. Na entrada instalamos uma pia com água e sabão e só tem acesso aqui as pessoas com máscaras”, disse Dinaval Santos, 54, dona da delicatessen.

Fonte: Correio