Bolsonaristas exibem símbolos neonazistas em protestos anti-democracia

Um grupo de defensores de Jair Bolsonaro saiu as ruas ostentando bandeiras com símbolos utlizados por grupos neonazistas, em São Paulo. Segundo o G1, a polícia irá apurar se os emblemas foram o estopim para o confronto entre manifestantes pró-democracia e pró-Bolsonaro, neste domingo (31).

As bandeiras usadas por apoiadores de Bolsonaro contam com um símbolo da Ucrânia que também é adotada por grupos de extrema direita e até neonazistas. 

O uso dos símbolos teria irritado integrantes de torcidas organizadas de clubes de futebol que convocaram ato em favor da democracia e contra o fascismo. Eles brigaram com defensores do presidente que os provocaram, segundo a Polícia Militar (PM).

O grupo pró-Bolsonaro pedia a reabertura do comércio durante a pandemia de coronavírus e outras pautas, algumas antidemocráticas, como a intervenção militar, o fechamento do Congresso Nacional e o fim do Supremo Tribunal Federal (STF).

A Polícia Militar (PM) interveio, usando bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo para dispersar o conflito entre bolsonaristas e torcedores.

Depois, segundo a PM, os torcedores de futebol decidiram romper o cordão de isolamento feito por policiais que os separavam dos bolsonaristas, e passaram a arremessar paus e pedras. A Polícia Militar revidou usando munição não letal. Até a publicação desta matéria, a corporação não havia informado se usou balas de borracha.

Cinco pessoas foram presas, três delas por desordem, e outras duas por roubo. Todas foram levadas para uma delegacia da região. Não havia informações sobre pessoas feridas.

Bandeira e símManifestantes bolsonaristas exibem símbolos neonazistas em protestos anti-democraciabolo
As bandeiras vistas na Paulista é, na verzade, o Tryzub – brasão de armas da Ucrânia na forma de um tridente, usado até na seleção de futebol do país. Elas, porém, também são usadas por grupos radicais, alguns deles simpatizantes do nazismo.

O movimento político ucraniano de extrema direita e ultranacionalista Pravyy Sektor, no entanto, é conhecido por também adotar a bandeira com as cores preta e vermelha e o símbolo. Na Ucrânia, o grupo é conhecido por ações violentas, inclusive com tacos de baseball. Em outros países, ele é considerado simpatizante de neonazistas.

Fonte: Correio