Rio decreta reabertura de shoppings, bares e pontos turísticos

Em edição extra do Diário Oficial, publicada na noite dessa sexta-feira (5), o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, decretou a reabertura gradual de diversas atividades econômicas no estado já a partir deste sábado (6).

A medida determina o funcionamento de centros comerciais, bares e restaurantes, pontos turísticos (como o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar) e parques, entre outros, com restrições para evitar aglomerações.

De modo geral, os estabelecimentos estão autorizados a funcionar, desde que respeitem o limite de 50% de sua capacidade de lotação. Além disso, deverão seguir protocolos e medidas de segurança recomendadas pelas autoridades sanitárias, como o uso de máscaras de proteção facial por clientes e funcionários, assegurar a distância mínima de 1 metro entre as pessoas e disponibilizar álcool em gel 70%.

No caso dos shopping centers e centros comerciais, o horário é limitado (das 12h às 20h). As praças de alimentação poderão funcionar, desde que obedeçam o limite de 50% da capacidade de lotação. Áreas de recreação, cinemas e afins deverão permanecerão fechados.

Foram autorizadas ainda as atividades esportivas individuais ao ar livre, inclusive em parques, praias e lagoas, desde que não haja aglomeração. A indicação é que isso seja feito próximo à residência de cada pessoa.

Atividades esportivas de alto rendimento estão liberadas desde que sejam sem público e com os devidos protocolos de higienização.

Organizações religiosas poderão receber fiéis, desde que seja observada a distância de 1 metro entre as pessoas.

Mais cedo, já havia sido divulgado também o retorno gradual do transporte intermunicipal de passageiros.

Algumas medidas restritivas, por outro lado, foram prorrogadas até o dia 21 de junho. São elas: aulas presencias (tanto das redes de ensino estadual e municipal quanto da privada), academias de ginástica, cinemas, teatros e afins.

O governo diz que levou em conta dados da Secretaria de Saúde para a elaboração do decreto.

Fonte: Agencia Brasil