Ascensão, glória e queda da banda Reflexu´s que fez história no inicio da axé music

Quando publiquei no meu blog, no início do mês, uma nota falando que o cantor Marquinhos, da Banda Reflexu´s, está passando por um sério problema de saúde cujo tratamento é muito caro e ele não tem condições de arcar com as despesas, já que não pode trabalhar nem possui qualquer fonte de renda, e sobrevivendo com a ajuda dos amigos, fiquei pensando aqui com os meus botões…. Nunca um ditado muito comum no meio artístico se encaixou tão perfeitamente nessa situação: “Fazer sucesso é até fácil. O difícil é manter uma carreira”.

Foi exatamente o que aconteceu com a Banda Reflexu´s que tinha em sua linha de frente Marinês (hoje cantora gospel), Julinho (continua fazendo shows esporádicos) e Marquinhos o que está enfrentando problemas de saúde e numa situação financeira desoladora. Uma cena inimaginável há alguns anos para quem viu a ascensão e a glória da banda.

Talvez os mais novos não tenham noção do que essa banda fazia de sucesso. Mas, com certeza deve lembrar de músicas como “Madagascar Olodum”, “Alfabeto do Negão”, “Libertem Mandela” e “Canto Para o Senegal”. Todas fazem parte do repertório dos grandes nomes da cena axé que sempre tocam em seus shows e o público vibra, canta e dança.

Antes mesmo de artistas como Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Claudia Leitte, Saulo Fernandes, Bell Marques, Carlinho Brown e bandas como Asa de Águia, Chiclete com Banana, Eva, Timbalada, Olodum estourarem em todo o Brasil, a Reflexu´s, com Madagascar Olodum apareceu em programas como Cassino do Chacrinha, grande incentivador da música baiana e conseguiu o maior feito:  Foi a primeira (e talvez a única banda de axé) a se apresentar no Canecão, Rio de Janeiro.

Para se ter uma ideia, o Canecão, famosa casa de shows no Rio de Janeiro, era o templo da música brasileira. Só faziam shows lá os chamados top de linha. Nomes como Roberto Carlos, Maria Bethânia, Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Rita Lee, Milton Nascimento. Enfim, tinha que ter como se dizia antigamente “bala na agulha”. E a Reflexu´s teve. Mostrando seu poder de fogo e também o poder da axé music que começava conquistar o Brasil de forma avassaladora.

Em 2015, juntamente com o jornalista e empresário Paulo Borges formatamos um projeto Globo de Ouro Palco Viva 30 anos de Axé que foi produzido pela GeGe através de Flora Gil com direção de Leticia Muhana então diretora do Canal fechado viva. Até tentamos levar a banda original para participar de um dos dez programas que foram gravados e exibidos depois. Mas não foi possível e infelizmente a Reflexu´s não teve seu momento registrado,

A Banda Reflexús foi criada em Salvador no ano de 1986, exatamente no Conjunto ACM no bairro do Cabula como uma dissidência da Banda Raizes do Sol, antando um repertório repleto da samba-reggae muito comum nos blocos afros onde a galera ia buscar inspiração. Além de Marinês, Julinho e Marquinho, a banda era formada pelos músicos Ronaldo, Waschington, Ubiratan (Bira), Ednilson, Abilio e Wilson Pedro.

Com a saída dos principais nomes, a banda ainda tentou iniciar uma nova carreira com outros cantores mas nada aconteceu. Contratada pela multinacional EMI a Reflexu´s lancou nessa gravadora seus discos mais importantes: Reflexu´s da Mãe África (1987), Serpente Negra (1988), Kabiêssele(1989). Pela Som livre lançou Bahia de Todos os Santos (1990) e Atlântida(1993). E Em 1994 a EMI lançou Meus Momentos. Ao todo a banda banhou cinco discos de ouro, três de platina duplos e um de diamante.

amante.

Fonte: Correio